segunda-feira, Outubro 27, 2014

TCN 2014: Nomeados Crítica de Cinema



2001: Odisseia no Espaço, por Jorge Teixeira, do blogue Caminho Largo

"No alvorecer da humanidade, o início da vida é como uma rocha ainda por se degastar, por se polir e por se definir, pelo facto de que a experiência, essencial, ainda está por adquirir. As pré-existências, a história e o conhecimento empírico podem facultar e instigar à evolução animal e à adaptação ao meio envolvente, tão natural quanto impressionante - o crescimento, a mudança ou o desenvolvimento são sempre etapas estimulantes - mas o que é certo é que de algum modo existe frequentemente no processo, e no progresso, um persistente efeito misterioso e extra-ordinário (extra-terrestre), que teima ora em esconder-se, ora em aparecer."


A Propósito de Llewyn Davis, por André Olim, do blogue Terceiro Take

"A beleza de A Propósito de Llewyn Davis, pontuada por deslumbrantes momentos musicais, reside no efeito quase fantasista que a jornada de Llewyn parece tomar. A sua viagem para Chicago na companhia de dois desconhecidos – um dos quais fantástica e hilariantemente interpretado por John Goodman – é o momento fulcral em que o espectador se questiona sobre a veracidade de toda a história. Atravessando estradas vazias no meio de nenhures, esta sequência partilha as características de um sonho tido algures, já meio esquecido."

A Vida de Adèle: Capítulos 1 e 2, por Catarina D'Oliveira, do blogue Close-Up

"Em retrospetiva, o Cinema é muitas vezes referido como o grande meio criado pelo Homem, proporcionando a possibilidade de mergulhar noutra história que não a nossa, vivendo assim novas vidas e experiências que o tempo que por cá passamos não permite. Na maior parte das vezes, essa possibilidade não é preenchida, e o Cinema acaba por funcionar mais como um meio de escapismo do que propriamente identificação e extensão da vida. No entanto, de vez em quando, surgem os raros filmes que incitam à descoberta, que se cosem a nós, que nos propiciam crescimento e introspeção, e que nunca mais nos abandonam."

Debaixo da Pele, por Tiago Ramos, do blogue Split Screen

"Um filme áspero, enigmático e simultaneamente cativante. Uma narrativa que dialoga com muito daquilo que o espectador quiser apreender: a natureza humana, a feminilidade na sociedade contemporânea, as noções do desejo e morte. Uma noção que actua precisamente debaixo da pele, das personagens e do espectador, num movimento incessante, aparentemente aleatório, um sentido de violência estética e sonora, um estranho e esmagador fascínio, uma hipnótica abstracção. Debaixo da Pele permanecerá no cinema como um clássico da ficção-científica contemporânea. Na nossa mente permanecerá como o mais pontiagudo e ressonante objecto dos últimos anos."


O Lobo de Wall Street, por Rui Alves de Sousa, do blogue Espalha Factos

"O Lobo de Wall Street é um grito de guerra e uma acusação visceral de uma mentalidade consumista, irracional e arrogante, e um dos retratos mais animalescos da humanidade jamais feitos em Cinema, com um elenco excecional e uma fotografia deslumbrante. E foi preciso voltar aos temas de corrupção e manipulação para Martin Scorsese fazer a sua grande obra prima do século XXI."


Robocop, por Pedro, do blogue CinemaXunga

"A pequena memória sentia-se rasgada em duas. O hálito a álcool de Padilha na sua cara e as dores que sentia fizeram-na desmaiar. Três horas de sodomização depois, por cima de uma memória inconsciente e ensanguentada, Padilha levanta-se e sai. Na rua espera-o um carro de vidros fumados. Aproxima-se. O vidro baixa e uma mão estendo um maço de notas de 100 dólares. Padilha chora enquanto aceita o dinheiro e de dentro do carro uma voz demoníaca diz “That’ll do, José. That’ll do!”"



Wadjda, por Hugo Barcelos, do blogue Rick's Cinema.

"Rodou-se, assim, o primeiro filme inteiramente filmado na Arábia Saudita, e uma obra cinematográfica que, sem precisar de ser uma obra-prima, se revestiu de especial importância. Ajudou, ainda, a que se alargassem as liberdades femininas, e hoje em dia até já é permitido às mulheres sauditas andarem de bicicleta à vista de todos – é verdade que apenas em parques, e desde que acompanhadas por um guardião masculino. "


Videodrome, por Rafael Santos, do blogue Memento Mori

"Imergir num filme do Cronenberg é como comprar um bilhete só de ida para o inferno da mente humana. Removida a camada superficial adornada de violência, o espectador descobre nos seus filmes questões fundamentais que rodeiam a essência humana. Distribui numa bandeja obras que levam o indivíduo a questionar-se a si mesmo, tentando afastar-se do conjunto para avaliar a sua posição integrante perante o mesmo. Faz ressurgir desejos reprimidos que aparentam não ter lugar numa sociedade civilizada. "

domingo, Outubro 26, 2014

TCN 2014: Nomeados Artigo TV



“Agatha Christie’s Poirot”: A magia de aproximar gerações, por Pedro Andrade, do blogue TVDependente

"Na televisão, a experiência é diferente. Muitas séries duram anos a fio e esse acompanhamento da evolução das personagens é-lhe intrínseco e vital, mas se a televisão tem o poder de estimular a familiaridade, o facto da história ser revelada num longo espaço de tempo não deixa aquele verdadeiro sentimento a saudade. Falta-lhe a capacidade para criar nostalgia. Mas há excepções e “Agatha Christie’s Poirot” é uma delas."


A propósito da estreia de “Masters of Sex”, por Rui Mendes, do blogue TVDependente

"Nos últimos anos temos assistido à época áurea da ficção televisiva com dezenas de séries, mini-séries e telefilmes de elevada qualidade. A televisão aparenta ter trocado de lugar com o cinema no que ao prestígio da ficção respeita. É no pequeno ecrã que encontramos os projectos mais provocadores, experimentais, seminais, tecnicamente complexos e artisticamente deslumbrantes. Os valores de produção permitem a combinação de diversos elementos que concorrem para a qualidade do objecto filmado: bons argumentistas, criativos e experimentalistas; produtores conhecedores da realidade audiovisual e cada vez mais próximos dos interesses das audiências; realizadores que cruzam muitas vezes a fronteira entre cinema e televisão e actores de grande qualidade que crescem na televisão e se revelam ao mundo com interpretações muitas vezes maiores do que a vida, outras minimalistas e discretas repletas de nuances."

A televisão do futuro chegou, por Nuno Reis, do blogue Antestreia

"Acabou-se a teoria que a televisão era para começar ou acabar carreiras. O pequeno ecrã depressa se tornou num ganha-pão muito importante na indústria do entretenimento. Reputações nasciam e morriam com base no que as estrelas faziam semanalmente. O cinema claro que se começou a sentir ameaçado. Com televisão de qualidade e ecrãs do tamanho de uma tela, cada vez menos pessoas abandonam o conforto para pagar um filme que provavelmente detestarão. No cinema, um filme mau é dinheiro perdido. Na televisão podem deixar de ver sem perder dinheiro."

"Because I say so" - Breaking Bad aos meus olhos, por João Curado, do blogue Quero Ver 1 Filme

"O culto. Os últimos 2 anos da vida de Walter White sujeitam-se a ser carregados por fans até à eternidade. Vários elementos foram inspirados em inúmeros filmes de culto e obras de grandiosidade intemporal. Também Breaking Bad terá esse “fim”. Podemos ver referências, ou simplesmente semelhanças a filmes como Scarface, Pulp Fiction, The Godfather, Sunset Blvd. e Reservoir Dogs quer seja em aspectos técnicos, o caminho para o qual o argumento se vai destinando, nomes de personagens e até expressões e one linners."

Doctor Who: A viagem de Moffat no 50º aniversário, por António Guerra, do blogue TVDependente

"Claro que, quando se fala do Doctor, os espectadores associam logo a um ser bondoso, o anjo da guarda da humanidade. Moffat não tenta discutir essa ideia, até porque ela já está tão entranhada nos espectadores/fãs da série que é impossível combater. O que ele tenta é brincar exactamente com essa ideia entranhada: será que não perdoamos demasiado o Doctor?"


Game of Thrones. Livros versus Série – qual fica K.O.?, por Ricardo Rodrigues, do blogue Espalha Factos

"Quero acabar este artigo com uma consideração final: este não é, de todo, um artigo que escolhe lados, não é um artigo para elevar os livros e humilhar a série. Pelo contrário, é uma homenagem a todo um universo criado por George RR Martin que se manifesta em dois meios completamente diferentes – o literário e o televisivo. E se o primeiro representa a base do segundo, não quer dizer que o segundo seja uma versão inferior ao primeiro. Os dois valem por si e ambos são fantásticos."



A Geração Rangel, por Pedro Miguel Coelho, do blogue Espalha Factos.

"Não conheci o cinzentismo da era que se vivia antes disso. Cresci num Portugal espevitado por um jornalismo interventivo, ativo. Um jornalismo com espaço para a investigação, para o povo e para os mais desfavorecidos. Um jornalismo que saiu dos ministérios para as manifestações, dos gabinetes para as praças públicas. Aprendi a viver num país estranho onde um canal de informação é líder de audiências na TV paga. Este jornalismo é o jornalismo lançado por Emídio Rangel, alguém vivaz e sem medo, sem papas na língua até aos últimos momentos em que o pudemos ver."



Um Artigo Com Bolinha Vermelha: Uma História da Nudez e Sexualidade na Televisão, por Diogo Cardoso, do blogue TVDependente

"Neste artigo em duas partes procuramos analisar a presença e o impacto da nudez e da sexualidade na televisão. Atualmente é comum vermos todo o tipo de cenas de cariz sexual na TV. Uns dirão que é exagerado, outros que são uma alavanca de audiências e importantes para definir o tom de uma série. A verdade é que esta foi uma evolução lenta e cheia de sobressaltos."

sexta-feira, Outubro 24, 2014

TCN 2014: Nomeados Entrevista



Entrevista a António-Pedro Vasconcelos, por Rui Alves de Sousa, do blogue Espalha Factos

"Eu acho que o grande problema de Portugal (e o Antero de Quental apanhou isso na Conferência do Casino, sobre as Causas da Decadência dos Povos Peninsulares) foi a proeminência da Igreja Católica, sobretudo a partir da Contra-Reforma. E eu não sou anti-clerical, e andei num colégio de jesuítas durante um ano, mas não sou crente. Mas de facto o papel da igreja em Portugal foi devastador. E o país vive deprimido com altos e baixos, principalmente a partir da dinastia de Bragança, com uma monarquia que, de mãos dadas com a igreja, manteve o povo na ignorância."


Entrevista a Carlos Gerbase, por Aníbal Santiago e Roni Nunes, do blogue Rick's Cinema

"O Felipe ficou uma semana na ala dos esquizofrénicos. Ficou lá de manhã a acompanhar as actividades. Eles caminham, jogam à bola, conversam, recebem a medicação, ele ficou a acompanhar esse dia a dia. É então que o Felipe conheceu um sujeito e me disse “eu vi o Dante”. Todos tinham medo desse doente devido a ter partido o braço a uma enfermeira. Em alguns dias em que ficava mais agitado ele ficava preso. O Felipe ficou muito impressionando com esse indivíduo e chegou a falar com ele. Não só conversou sobre a vida dele, como pedia para o Felipe dar autorização para sair devido a pensar que este era um médico."

Entrevista a Ferenc Cakó, por Carlos Miranda, do blogue Cinemaville

"Na animação com areia as ideias devem ser muito boas, sólidas e universais para serem compreendidas com a mesma facilidade por um japonês, um russo, um italiano ou um português. É muito importante que todos possam de igual modo compreender a história. Nunca trabalhei com texto nos meus filmes, portanto nunca existiu a necessidade de tradução. Pensemos em histórias infantis: quanto mais texto existir, menos animação é necessária para se compreender a narrativa e mais fácil se torna transmitir a mensagem. Na ausência de palavra tem de haver mais animação e muito mais movimento para se explicar uma história a uma criança apenas através de imagens."

Entrevista a João Miller Guerra, por Tiago Ramos, do blogue Split Screen

"Posso ser eu que sou um optimista, mas o cinema português tem sido bastante falado e reconhecido internacionalmente. E acho que as pessoas que estão mais próximas sabem o estado em que o cinema português está. A cultura é aquilo que fica, não me parece que seja possível vivermos sem cultura. O cinema faz parte da cultura e não me parece que isso possa ser ignorado durante muito mais tempo. E depois também vai aparecendo tanto sangue novo, gente tão talentosa a fazer coisas e com cada vez menos dinheiro. O único risco que existe nesta nova geração é que quem está só a assistir, pode achar que o cinema se faz com pouco dinheiro."

Entrevista a Luís Diogo, por Nuno Reis, do blogue Antestreia

"Foi um processo muito rápido arranjar estas pessoas todas especialmente tendo em conta que eu tenho outra profissão, tenho de dar aulas todos os dias e tratar de outras coisas, mesmo assim com alguma rapidez consegui pôr o filme a rodar, mesmo com os contratempos todos: o técnico de som desaparecer, o director de fotografia desaparecer a um mês da rodagem, sempre a arranjar substitutos à última da hora. Porque eu estipulei logo prazos e para serem cumpridos. às vezes perguntavam “achas que já tens os actores todos?” e eu dizia “Tenho os que tenho. O prazo para encontrar actores era esta data, se eu começo a adiar isto, a certa altura adio tudo!”"


Entrevista a Pedro Pinho, por Daniela Guerra, do blogue Cinemaville

"Claro que nenhum filme poderá ser feito no contexto português a pensar que os bilhetes das salas vão cobrir as suas despesas. Simplesmente não há numero de espectadores suficiente, por isso de que lógica de mercado é que estamos a falar? Enquanto não forem inventadas novas formas de disfrutar da experiência do cinema, novos modelos de distribuição e exibição, pontes com outros países que falem a mesma língua e que possam fazer circular as várias cinematografias, é impossível pensar em alguma autonomia do cinema em relação aos financiamentos estatais."


Entrevista a Samuel Hadida, por Nuno Reis, do blogue Antestreia.

"Não nos podemos colocar numa posição de fazer o filme mais incrível possível. Encontramos uma história que queiramos contar, e depois procuramos os ingredientes. É como cozinhar. Se não tivermos fome, não vamos fazer um porco de 150 quilos. É demasiado. Basta fazer uma tortilla. Depende. Sinto que cada vez mais o extravagante é fazível."


Entrevista a Vittorio Storaro, por Rui Alves de Sousa, do blogue Espalha Factos

"Eu não pensei em decadência psicológica. O meu objetivo era reescrever a história de uma pessoa que faz uma viagem interior, através da sua memória, e que começa a diferenciar etapas, com os vários momentos, as emoções e os sentimentos que fazem a sua própria história de vida. E portanto, nesse sentido, as diferentes cores que usei acompanham esses momentos, essas emoções e esses sentimentos. "

quinta-feira, Outubro 23, 2014

E vocês, quantos contam?

Uma revista espanhola de cinema fez na sua edição de Julho um artigo de duas páginas sobre um coleccionador espanhol que conta com quase seiscentos filmes e séries em disco (DVD e Blu-Ray) na sua casa. Ou seja, os meus quase mil e quinhentos no sótão já davam para quatro páginas bem recheadas. E vocês, quantos têm na vossa colecção?

quarta-feira, Outubro 22, 2014

Novidade nas Votações TCN 2014

Este ano, pela primeira vez em cinco edições dos TCN Blog Awards, as votações públicas das treze categorias a concurso estarão dispersas pela blogosfera e não concentradas apenas na barra lateral do Cinema Notebook. Esta experiência - que pode correr bem ou mal (disparidade de votos entre categorias), logo veremos - pretende divulgar ainda mais a blogosfera de cinema e televisão em Portugal, criando uma maior circulação de leitores entre diferentes espaços. Foram convidados vinte dos blogues mais nomeados e premiados - ainda activos - da história dos TCN, tendo agarrado esta oportunidade os primeiros catorze a responder afirmativamente ao convite. Catorze porque num desses blogues - que serão divulgados aquando das nomeações de cada categoria - estará uma sondagem de resposta livre para o público escolher o galardoado com o Prémio Memória.

terça-feira, Outubro 21, 2014

The Affair

O episódio piloto da nova série do canal de cabo norte-americano Showtime oferece, provavelmente, a melhor hora de televisão da nova temporada de produções televisivas que arrancou nos EUA durante os últimos dois meses. Divido de forma criativa em dois capítulos que lutam entre sim, como que duas narrativas baseadas em diferentes pontos de vista em duelo numa sala de interrogatório, "The Affair" é tão misterioso quanto inteligente e minucioso - pormenores fantásticos como um simples penso num dedo situam temporalmente cada perspectiva -, prometendo ter tudo, do elenco à realização, da escrita à produção, para se tornar numa das mais interessantes propostas do ano. Para seguir, com atenção e coração.

segunda-feira, Outubro 20, 2014

Simpsons & Kubrick


"The Simpsons continued their annual Halloween tradition on Sunday night with the series' 25th "Treehouse of Horror" episode. Like past installments, it featured three short segments – but the clear highlight was "A Clockwork Yellow," a spirited spoof of Stanley Kubrick's iconic filmography."

domingo, Outubro 19, 2014

TCN 2014: Horários dos Anúncios


Encerradas que estão as candidaturas aos TCN Blog Awards 2014, eis um breve sumário dos resultados recorde desta edição: 39 blogues participaram, 66 críticas de cinema e 59 de TV a concurso e dezenas de candidaturas nas restantes categorias levam a que a Academia TCN tenha mais de 300 opções de voto para escolher 8 nomeados para cada categoria desta edição dos TCN. São tantos os conteúdos para analisar que a organização decidiu dar uma semana inteira aos membros da Academia para decidirem e ponderarem as suas escolhas, alterando assim o plano de anúncio dos nomeados de dia 25 de Outubro para dia 29, 30 e 31 de Outubro. As votações do público começam no dia 1 de Novembro. Seguem-se os horários:

Dia 29 de Outubro:

17:00 - Entrevista
20:00 - Novo Blogue de Cinema/TV
21:00 - Artigo de Televisão
22:00 - Crítica de Cinema

Dia 30 de Outubro:

17:00 - Página de Facebook
20:00 - Iniciativa
21:00 - Artigo de Cinema
22:00 - Crítica de Televisão

Dia 31 de Outubro:

17:00 - Reportagem/Cobertura
19:00 - Rubrica
20:00 - Blogue Colectivo de Cinema/TV
21:00 - Blogue Individual de Cinema/TV
22:00 - Blogger do Ano

sábado, Outubro 18, 2014

Extraordinary Measures (2010)

Baseado em acontecimentos verídicos, "Medidas Extraordinárias" desenrola-se quase em formato de telefilme, oferecendo a uma história extraordinária e comovente um tratamento cinematográfico vulgar. Quem procurava a energia e a revolta de um "Erin Brockovich" sentiu-se certamente enganado nesta luta contra o tempo e contra o sistema farmacêutico mas, ainda assim, a química entre o rezingão adorável (Ford) e o pai esforçado (um Fraser bem gordinho) serve para justificar o mérito de educar o público sobre uma doença rara e pouco divulgada. Como curiosidade, fica a nota que este foi o primeiro filme desde 1983 ("O Regresso de Jedi") que o nome de Harrison Ford não apareceu em primeiro lugar nos créditos da fita. Sinal dos tempos?


sexta-feira, Outubro 17, 2014

CCOP - Top de Setembro de 2014

Pelo segundo mês consecutivo, uma produção nacional lidera o top mensal. Depois de E Agora? Lembra-me em Agosto, o filme Os Maias - Cenas da Vida Romântica, de João Botelho, foi o filme preferido dos membros do CCOP, com a nota média de 8 em 10. Na segunda posição encontra-se Jersey Boys - Em Busca da Música, com a nota média de 6,75. Entre todos os filmes de Clint Eastwood já votados pelo CCOP, apenas fica acima de J.Edgar (que recebeu a nota de 5,17). No top especial dedicado ao Óscar de Melhor Filme, Unforgiven recebeu a nota média de 8,14; enquanto que Million Dollar Baby foi classificado com 7,43. Magia ao Luar finaliza o pódio, com a nota de 6,63. De todos os filmes de Woody Allen, a nota atribuída a este coloca-o na vigésima posição, acima de Every Thing You Always Wanted To Know About Sex * But Were Afraid To Asked (6,50). Nota ainda para as reposições dos filmes do indiano Satyajit Ray, pela Leopardo Filmes. Os membros do CCOP atribuíram a nota 10, ao filme Charulata (mas com uma amostragem de apenas 11%). Já no caso dos dois filmes de Leos Carax também repostos em cinema, Má Raça recebeu a nota 8,00; enquanto que Paixões Cruzadas foi classificado com 7,00.

Top de Setembro de 2014

1. Os Maias - Cenas da Vida Romântica, de João Botelho | 8,00
2. Jersey Boys - Em Busca da Música, de Clint Eastwood | 6,75
3. Magia ao Luar, de Woody Allen | 6,63
4. Os Gatos Não Têm Vertigens, de António-Pedro Vasconcelos | 6,00
5. The Giver - O Dador de Memórias, de Phillip Noyce | 4,50
6. The Equalizer - Sem Misericórdia, de Antoine Fuqua | 3,75

quinta-feira, Outubro 16, 2014

Moby Howard

quarta-feira, Outubro 15, 2014

Transcendence (2014)

Discutir a mensagem e o conceito de "Transcendence: A Nova Inteligência" sem revelar uma quantidade imensurável de spoilers declara-se uma missão praticamente impossível. Por isso, mais do que questionar a credibilidade de uma narrativa filosófica e cientificamente arriscada, interessa destacar a estreia na realização do director de fotografia premiado de "Inception" e "The Dark Knight", Wally Pfister, um nome que pode tornar-se habitual e recorrente nas conversas de café durante os próximos anos. Ambicioso e provocativo, o significado de "Transcendence" oscila entre a celebração e o aviso, tornando difícil distinguir heróis e vilões de uma história que, por mais implausível, histérica e esburacada que seja, consegue entreter - ou pelo menos não aborrecer - durante quase duas horas. Falta-lhe profundidade emocional, é verdade, mas aquela mistura entre o sci-fi da década de cinquenta - a cidade abandonada no deserto - e visuais futurísticos absolutamente intocáveis são mais do que suficientes para justificar um visionamento. Na pior das hipóteses, levam com uma interpretação fenomenal de Rebecca Hall e a oportunidade de assistir a Johnny Depp sem uma fatiota extravagante ou maquilhagem estrambótica.

terça-feira, Outubro 14, 2014

Update Categorias TCN 2014

Por falta de candidaturas a duas categorias destes TCN 2014 (1 para Melhor Site/Portal, 1 para Blogue de Televisão) que justificassem a sua existência na próxima cerimónia e tendo em conta que não é provável que o cenário mude consideravelmente até ao encerramento do prazo para entrega das candidaturas, a organização tomou duas decisões: a primeira é voltar a incorporar a categoria de Blogue de Televisão nas categorias de Blogue Individual e Blogue Colectivo de Cinema e Televisão; a segunda, terminar definitivamente com a categoria de Melhor Site/Portal - já o ano passado tinha tido apenas cinco candidaturas - e criar uma nova já para esta edição, que esperamos tenha mais saída: Melhor Facebook de Cinema/TV, com o objectivo de premiar uma vertente social da blogosfera - e não só - cada vez mais comum e actual. Podem concorrer, dentro dos mesmos prazos (até dia 20 de Outubro), todas as páginas de Facebook nacionais relacionadas com cinema e/ou televisão, tenham ou não ligação directa à blogosfera. No caso de não existirem candidaturas suficientes para esta nova categoria, a mesma desaparece.

segunda-feira, Outubro 13, 2014

Sugar Man em digressão europeia?

Correm vários rumores na internet que, Rodriguez, músico celebrizado no fabuloso documentário "Searching for Sugar Man", depois de uma série de concertos na Austrália este ano, vai andar em digressão pela Europa durante 2015. Oficial, apenas um concerto em Londres no dia 7 de Maio, no Royal Albert Hall, que rapidamente esgotou, ou não fosse esta uma oportunidade única de assistir ao vivo ao homem que, do dia para a noite, descobriu que era uma lenda. Uma coisa é certa, se apanhar algum bilhete num local e data que dê jeito dar um saltinho, não vou perder a oportunidade.

domingo, Outubro 12, 2014

Eddie Redmayne. Óscar a caminho?

sábado, Outubro 11, 2014

Highway to Hell?

Despite objections from AC/DC and Bon Scott’s estate, a biopic about the late singer is moving forward. Writer Rob Liotti, who is also set to start as Scott in the film, recently said that the release of the 1992 Judas Priest and recent Jimi Hendrix biopics have opened the door for production of the long gestating project to begin production. “We have a First Amendment right to tell this story, and we have the ability to utilize the Fair Use Doctrine in assisting us to do so.” Liotti claimed. “We’re trying to educate the public about this guy’s life and tribulations. What the hell is the problem with that?” [F]

sexta-feira, Outubro 10, 2014

Focus on Margot

quinta-feira, Outubro 09, 2014

10 Anos


Durante vários meses pensei na forma perfeita de iniciar este texto comemorativo. Não cheguei lá e decidi escrever qualquer coisa apenas hoje, 9 de Outubro de 2014, uma década após a primeira entrada deste estaminé. Tenho tanto para dizer e, no entanto, não sei como dizê-lo. Podia começar por contar que este meu estimado CN acompanhou-me ao longo destes dez anos em várias mudanças e etapas decisivas na minha vida: de puto estúpido a pai babado, de universitário engenheiro baldas nas praias da Caparica a verdadeiro crânio empresarial nas redondezas do estádio do glorioso, de assessor de imprensa sempre à espera do fim-de-semana a controlador de tráfego aéreo que não quer saber que dia é - porque qualquer dia é uma alegria - de solteiro tresloucado de discoteca a marido responsável que só está bem em casa, enrolado no sofá a ver qualquer coisa na televisão que não meta o Adam Sandler ao barulho. Mas tudo isto seria demasiado pessoal, demasiado lamechas.

Imaginei então que talvez o melhor para arrancar com as festividades seria homenagear todos aqueles que ao longo destes dez anos inspiraram-me a continuar, a sentir-me parte de um bem precioso maior, a não parar mesmo quando a vontade para ligar o computador era nula. Mas isso acabaria por se tornar injusto para muitos que, no meio de tantas memórias dispersas, acabariam esquecidos. Bem... que se lixe, é dia de festa, ninguém leva a mal. Ao Xunga, por num qualquer fórum de newsgroups em que eu era administrador, ter divulgado o seu blogue e, com isso, ter criado dentro de mim uma vontade inigualável de criar o meu próprio espaço, ter uma relação com alguém como ele tinha com os seus leitores. Ao Pedro Soares, pelo seu Royale with Cheese ter servido de base e inspiração aos primeiros anos do Cinema Notebook, um local de crítica pura, sem trailers, sem notícias, sem distracções. Hoje, dez anos depois, continuas nos meus favoritos, escondido do mundo no meio de tanto hamburguer. Ao Francisco Mendes pela paixão, ao João Paulo Costa pela excelência, ao Miguel pela descontracção e ajuda inigualável nos TCN, ao Samuel pela dedicação, à Helena pela profundidade, ao Zé Bruto por mostrar que não há limites para um blogue, ao Aníbal por provar que não há limites para um blogger, ao Tiago pelo esforço de, num círculo, promover a blogosfera cinematográfica nacional ao quadrado, ao Bruno por ter sido diferente de todos os outros, ao Filipe por revelar que não há sonhos impossíveis, ao Nuno pela camaradagem, ao Manuel pela coragem, à Catarina, à Inês, à Rita, à Teresa (ainda hoje relembro com carinho a cópia de BSG) e à Sofia pelo charme e atitude, ao Luís Mendonça pela newsletter e pela pala, ao Luís Alves por ser o Michael Mann da blogosfera, ao Zombie pela excentricidade, ao Francisco pela perseverança e serviço público, ao José Carlos por ser uma lufada de ar fresco, ao Jorge pelas perucas e pelos desafios, ao Edgar pelo banner, pelos cartazes, pelos DVDs, pela originalidade, pela criatividade e pela genialidade, aos leitores que por aqui passaram e comentaram - muitos deles esquecidos por culpa de uma mudança de sistema (Haloscan para Blogger) que apagou centenas de comentários da primeira meia década do blogue - ao longo destes mais de três mil e quinhentos posts e, por fim, ao José Soares e toda a equipa de colaboradores pela Take, uma paixão equiparável ao Cinema Notebook, uma que um dia que não está assim tão longe, acredito, terá a visibilidade e consistência física que merece. Certamente esqueci-me de muitos que aqui mereciam ter sido referidos. Mas pelo menos estes que passaram por estas linhas ficam a saber que foram, ou ainda são hoje, um dos motivos pelos quais este blogue viveu e sobreviveu dez anos. Mas, voltando ao início do parágrafo, tudo isto seria demasiado cliché e romântico para começar.

Planeei então começar pelo fim; não sei se o Cinema Notebook aguentará outra década. Citando Joaquim Pessoa, "a vida oferece-nos tudo, até ao dia em que tudo devolvemos à vida. E o pouco tempo que nos foi concedido, mesmo quando dele gozamos uma sensação de permanente sucesso, não é mais, afinal, do que um fracasso bem sucedido". Amar-te é escrever-te e, aconteça o que acontecer, foi até agora uma viagem dos diabos. Uma que, ao fim de uma década, ainda consegue ensinar-me algo: não há histórias nem inícios perfeitos; porque todo o começo é nada mais do que uma continuação quando o livro está aberto a meio.

quarta-feira, Outubro 08, 2014

Para memória futura

terça-feira, Outubro 07, 2014

Técnicas...

segunda-feira, Outubro 06, 2014

Um minuto chega quando há talento

“O AVÔ” (Grandpa) - 1 minute film from BRO CINEMA on Vimeo.

"O Avô", filme realizado por André Marques e produzido pela BRO foi duplamente distinguido no festival norte-americano Filminute, o mais importante festival de “curtas” de um minuto do mundo. People's Choice Award e Jury Commendation Prize foram os galardões arrecadados por este filme que em apenas um minuto deixa bem clara a importância de ser e de ter um avô.

domingo, Outubro 05, 2014

Memento meets Nicole Kidman

sábado, Outubro 04, 2014

sexta-feira, Outubro 03, 2014

Twisted (2004)

Não deixa de ser irónico que um filme chamado "Twisted" tenha aquele que é, provavelmente, o twist mais previsível do cinema norte-americano na última década. Pior que isso, que tenha deixado nessa mesma reviravolta "inesperada" a força do seu argumento, o grande trunfo de uma história que se torna cansativa com o passar dos minutos, mas que ainda assim prende na expectativa da revelação de um vilão inesperado. Com 1% de pontuação no Rotten Tomatoes, não admira pois que o conceituado Philip Kaufman ("The Right Stuff" e "The Unbearable Lightness of Being") não tenha voltado a realizar após tamanha desilusão, após tamanho desperdício de um elenco - Judd, Jackson, Garcia e Strathairn - que merecia mais, muito mais. Para quem procura mistério, qualquer episódio de "Murder, She Wrote" acaba por se revelar uma escolha mais inteligente.