quinta-feira, março 07, 2019

Homem-Aranha e o Legado Aranha

terça-feira, março 05, 2019

Mel Gibson directed by S. Craig Zahler

domingo, março 03, 2019

Nas Nalgas do Mandarim - S06E04

sábado, março 02, 2019

Describe Perfection

sexta-feira, março 01, 2019

É Nosso. E Deles também.

quinta-feira, fevereiro 28, 2019

Reboot? YES, PLEASE!

This weekend news out of the Toronto Comicon said that Jonathan Rhys-Davies gave us some words about what's happening these days with Sliders. He certainly didn't lay out a shooting schedule for a new episode or anything, but it's more than interesting to hear that the show has never really left the minds of the people that were so deeply involved in the experience. The Welsh actor said this at Toronto Comicon: "Jerry had been pestering me for a number of years and we're actually talking to NBC at the moment to see if there's any possibility of rebooting the series. They're looking into the basic question of who actually owns it. At the moment we don't seem to be able to find that out." [TV Web]

quarta-feira, fevereiro 27, 2019

Rápido, por favor!

terça-feira, fevereiro 26, 2019

We Can’t Let Physical Media Die

"Samsung recently announced that they won’t be making any more Blu-ray players for the US market (...) this development is yet another blow to the long-term survival of physical media. (...) Blu-rays and DVDs aren’t going to disappear overnight. That said, if we want to keep physical around then we need to support it. Maybe you prefer streaming and purchasing digital copies for whatever reason, but movies and shows existing on these platforms relies on them sticking around and hosting them. Neither is guaranteed. But a tangible disc on your shelf will always be there, provided you take good care of it." [FilmSchoolRejects]

segunda-feira, fevereiro 25, 2019

Nalgas Flash Review: Glass

domingo, fevereiro 24, 2019

Blackjack (1998)

Vá-se lá saber porquê, guardava boas memórias deste "O Guardião". Com estreia directa no pequeno ecrã - há quem afirme que se tratou de uma espécie de piloto para uma possível série que nunca viu a luz do dia -, "Blackjack" tem John Woo numa das suas melhores fases da carreira - tinha acabado de realizar o fenomenal "Face/Off" - e Dolph Lundgren quando ainda saltava de trampolim e matava uma mão-cheia de vilões num único salto. Mas, revendo-o agora, vinte anos depois, quase tudo no filme de Woo é sofrível: da fobia ao branco do herói aos tradicionais slow-motion que aqui nada acrescentam, sem esquecer o total - e expectável - vazio emocional de Dolph e companhia, eis um momento em que gostaria de ter seguido as regras da sensatez do Rui Veloso: nunca voltar ao lugar onde fomos felizes, porque matamos a recordação que lembra a felicidade.

sábado, fevereiro 23, 2019

Mötley Crüe

sexta-feira, fevereiro 22, 2019

A Mulher, Hoje.

Um raio de luz no panorama televisivo nacional - e não só. Sábado à noite (23/02), horário nobre (21:35), todos os canais televisivos de notícias nacionais preparam-se para arrancar com os barulhentos e inócuos programas de debate futebolístico que dominam as noites praticamente todos os dias da semana. E eis que a TVI24, obra de alguém com poder para tal, alguém claramente mais preocupado com a qualidade da programação do que com os ratings e os shares, exibe a conferência "A Mulher, Hoje", que decorreu a semana passada na Aula Magna, promovida e organizada pela Fundação Francisco Manuel dos Santos. No palco, os relatos de Samantha Power (embaixadora dos EUA na ONU no segundo mandato de Obama) e Freida Pinto (activista dos direitos das mulheres e actriz indiana celebrizada em "Quem Quer Ser Bilionário?"), com moderação de Ghida Fakry, conceituada jornalista política que cobriu inúmeros cenários de guerra na sua carreira. Uma hora e meia enriquecedora, com uma reflexão crítica e construtiva sobre os papéis desempenhados pelas mulheres nas mais diversas sociedades e culturas. Dêem bom uso às vossas boxes. Enquanto isso, continuarei a aguardar pela era em que as mulheres tomarão conta do mundo, tornando-o num lugar melhor, mais justo e ponderado.

quinta-feira, fevereiro 21, 2019

Cinema Low Cost Português

quarta-feira, fevereiro 20, 2019

You (S1/2018)

Uma espécie de Dexter Morgan em ascensão numa realidade presa entre os universos de "Pretty Little Liars" e "Gossip Girl" - as referências são propositadas ou não estivessem por aqui o malandro do Penn Badgley e a jeitosa da Shay Mitchel. Ritmo, suspense, humor, boa-disposição, incerteza constante nas acções do anti-herói - que roça, muitas vezes, o mais puro vilão sem justificações aceitáveis para os crimes que comete - e uma actriz fenomenal (a deslumbrante Elizabeth Lail) que consegue levar às costas todos os momentos mais intensos desta primeira temporada, entre o caos da sua personalidade e a tentação irresistível do seu olhar. Final ousado e inesperado, onde o mal triunfa sobre o bem, abrindo portas a uma nova temporada que dificilmente baterá a de estreia; porque ficaram bem claras as regras do jogo e o espectador já sabe com o que contar.

terça-feira, fevereiro 19, 2019

Nas Nalgas do Mandarim - S06E03

segunda-feira, fevereiro 18, 2019

Bruno Ganz (1941-2019)

domingo, fevereiro 17, 2019

Violet Fanning

sábado, fevereiro 16, 2019

The Haunting of Hill House (S1/2018)

Realização fenomenal de Mike Flanagan, cinematografia exuberante de Michael Fimognari - eles que já tinham trabalhado juntos na muito interessante jornada psicológica de "Gerald's Game" - e um elenco de excepção, sem figura de proa a liderar nem pescador no convés a atrapalhar. Um drama familiar claramente exposto a um contexto de terror psicológico - e não só -, onde cada elemento vive e sobrevive da maneira que consegue aos traumas de uma infância temível. Perfeita articulação entre o presente e o passado em cada episódio, subvertendo de forma admirável os clichés do género "casa assombrada" e tornando toda a narrativa num estudo aprofundado sobre o medo e tudo aquilo que nos caracteriza enquanto seres humanos, no singular e no colectivo. Por mais frustrante que possa por vezes ser, Flanagan não oferece respostas fáceis e rápidas a cada um dos actos/comportamentos das personagens; e isso é o que torna "The Haunting of Hill House" numa das mais competentes séries do último ano. Aquele maravilhoso sexto episódio, como que filmado num único take (apenas ilusão, na verdade), um exemplo óbvio da qualidade e irreverência de Flanagan.

sexta-feira, fevereiro 15, 2019

Calma Olivia, respira.

quinta-feira, fevereiro 14, 2019

Comparação Plataformas de Streaming


PREÇO

Em Portugal, a Amazon Prime oferece apenas o serviço básico de streaming (5,99£), sem os benefícios de outros pacotes mais completos disponíveis lá fora que incluem transporte grátis e expedito de encomendas, alugueres pagos para streaming de filmes fora do catálogo, streaming de músicas, armazenamento ilimitado de fotografias, etc. A Filmin, plataforma VoD portuguesa de cinema independente, permite subscrição mensal (6,95€) ou anual (valor mensal de 4,59€) sem vales. Os vales podem ser comprados separadamente e servem para aluguer de filmes que recentemente chegaram aos cinemas ou ao mercado físico de distribuição (o mais recente documentário de Michael Moore estava disponível através destes vales na Filmin quando o mesmo ainda estava em exibição nos cinemas, por exemplo). 3,95€ cada vale ou compra de packs de vales, com desconto. HBO Portugal chega com uma opção de subscrição única: 4,99€. Netflix tem vários pacotes disponíveis (7,99€, 10,99€, 13,99€ e 16,99€), sendo aqui analisado, tal como nas restantes plataformas, aquele que foi testado (13,99€). Seguem as diferenças entre as várias subscrições possíveis da Netflix:


INTERACTIVIDADE SMART TVS LG

Neste capítulo, a aplicação da Netflix bate de longe qualquer uma das restantes. Não só pela rapidez com que se navega na mesma, como também pela forma intuitiva e fácil com que se consegue escolher qualquer uma das opções especiais (legendas, etc). A da Amazon Prime é primitiva, originando vários enganos (temporadas adiantadas, legendas e audio errados, voltar ao menu principal sem que isso fosse pretendido), ainda para mais de forma quase sempre arrastada entre "páginas" diferentes, que demoram a carregar. Filmin com apresentação bastante elegante e navegação rápida q.b., ainda assim com ícones demasiado grandes que fazem com que vejamos apenas meia dúzia de opções no ecrã. HBO Portugal perde por comparação com a Netflix, mesmo que cumpra os requisitos mínimos.

VELOCIDADE DE STREAMING

A mesma ligação à internet serviu de base para as quatro plataformas. Amazon Prime Video a única que algumas vezes sofreu com soluços e resolução temporária mais baixa em alguns episódios HD. Filmin e HBO Portugal demoram alguns segundos a "arrancar", mas sem cortes/perdas de qualidade de aí em diante. Netflix arranque quase imediato e qualidade irrepreensível na imagem.

EXTENSÃO DO CATÁLOGO

O catálogo mais limitado acaba por ser o da Amazon Prime. Destaque para as temporadas completas de "Seinfeld" e para um catálogo considerável de filmes de Bollywood. Dezenas de conteúdos originais e exclusivos, bem como documentários e séries desportivas. Filmin é uma plataforma de cinema independente com cerca de 1000 filmes de todos os géneros, feitios e continentes. HBO Portugal com uma variedade enorme de documentários, séries que marcaram a história do canal e espectáculos de stand-up comedy ou talk-shows de lendas como Bill Maher e Lewis Black. A Netflix cada vez mais aposta na quantidade em detrimento da qualidade, oferecendo um catálogo sem fim, para adultos e crianças, com um pouco de tudo, para todos os gostos.

CATÁLOGO HARD TO FIND NO SR.JOAQUIM

Ora para quem não sabe, o Videoclube do Sr. Joaquim é aquele lugar mítico onde cinéfilos de todo o planeta vão alugar o que querem e precisam quando não o arranjam de outra forma. Neste capítulo, Amazon Prime, HBO Portugal e Netflix estão repletos de conteúdos que facilmente se encontram no estabelecimento do Sr. Joaquim. Já o Filmin conta com um catálogo repleto de obras independentes, de autor, low-cost, que a maioria de nós nem sabia que existia quanto mais que estaria pelo Sr. Joaquim numa prateleira qualquer refundida. Amazon Prime, pelo cinema indiano, e HBO Portugal pelos stand-ups, documentários e talk-shows, acabam por ganhar uns pontinhos extra neste campo.

ACTUALIZAÇÃO DO CATÁLOGO

Amazon Prime raramente actualizado com novos conteúdos, salvo estreia de novas temporadas (e filmes) dos conteúdos exclusivos da produtora. Filmin actualizado com uma dezena ou duas de filmes por mês. HBO Portugal acabou de estrear, mas palpito que será apenas actualizado com regularidade no que toca a estreias de novas temporadas e filmes da produtora. Ponto a favor por prometer estrear no mesmo dia que nos EUA. Netflix renova o catálogo semanalmente, com séries e filmes de produção "caseira" e não só. As actualizações de catálogo da Netflix em Portugal podem ser consultadas aqui.

LEGENDAS

Inúmeras em português do Brasil na Amazon Prime. E mesmo as que estão em português, várias vezes com ausência de falas. No Filmin, legendas irrepreensíveis em todos os filmes que foram vistos - provavelmente usadas as que estavam nos DVDs. HBO Portugal, vistos alguns episódios piloto, vários erros ou omissões detectadas, a maioria de palavras que deviam estar separadas mas acabaram por ficar juntas. Já na Netflix, conteúdos mais populares com legendagem impecável (e ousada, até), sobrando o "desenrasca" para alguns produtos menos conhecidos (principalmente documentários mais independentes em que se nota uma tradução nem sempre perfeita).

INFORMAÇÃO DE CONTEÚDOS

Amazon Prime com uma funcionalidade única nestas plataformas que acaba por ser interessante: quando é feito um pause numa cena, aparece a informação, quase sempre correcta, de quem são os actores que estão nessa cena. Ausência de classificação (IMDb, Rotten, o que fosse) e de trailers dificultam a escolha. Filmin bate a concorrência com trailers em quase todos os conteúdos, sinopses impecáveis e profissionais em português, informações técnicas diversas e uma classificação interna (de 1 a 10) dada pelos utilizadores. HBO Portugal sem trailers mas com pontuação do IMDb, o que acaba por ser um indicador de qualidade de conteúdos que não conhecemos. Netflix com trailers e teasers para conteúdos originais, mas sem os mesmos para o resto do catálogo. Sem classificação externa para consulta.

OUTRAS CARACTERÍSTICAS

Selecção de perfis múltiplos apenas disponível na Netflix, o que dá muito jeito quando não queremos os documentários vegan e as séries de vampiros que a nossa querida mulher gosta de ver a inundar os nossos menus ou recomendações. Para não falar da criançada. HBO Portugal sem aplicação para IOS (ainda?), o que é um valente senão para aqueles que gostam de utilizar o iPad ou o iPhone em viagem e fora de casa para ver qualquer coisa. Filmin e HBO Portugal sem opção de download de conteúdos para visualizar offline. Amazon Prime permite mas acaba por muitas vezes o fazer com legendas aleatórias de outros países - até com audio dobrado já me aconteceu. Netflix permite download de quase todos os conteúdos, sem limites de transferências, sem ocupar muito espaço, e com bastante tempo de folga até se "auto-destruir".

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Todas as plataformas de streaming acabam por ter mais valias que podem justificar uma assinatura. Dependerá muito do perfil de quem as procura: Netflix e HBO Portugal complementam-se a nível de séries e oferecem catálogos diferenciados a nível de filmes/documentários/stand-up/talk-shows fora da gigantesca máquina comercial de Hollywood e dos sucessos de bilheteira que se repetem em ambas as plataformas. Filmin absolutamente impreterível para o mais curioso, exigente e afoito dos cinéfilos e Amazon Prime uma boa alternativa para quem procura conteúdos mais relacionados com desporto automóvel e futebol ou séries/filmes com trinta anos em cima. Cá por casa, vão continuar as quatro na LG.

quarta-feira, fevereiro 13, 2019

Make Us Dream (2018)

Documentário produzido para a Amazon sobre a carreira de Steven Gerrard e todo o culto que se gerou em torno do seu talento e atitude em campo, uma autêntica lenda de um dos clubes mais intensos e premiados de Inglaterra. Narrado em muitos momentos pelo próprio e realizado pelo experiente documentarista Sam Blair ("Maradona 86"), "Make Us Dream" centra-se em três momentos fundamentais da sua vida em Liverpool: a conquista da Liga dos Campeões em 2005 numa final de loucos contra o Milão de Rui Costa, Kaká e companhia; o momento (2006) em que anunciou que queria sair do clube - altamente cobiçado pelo Chelsea de José Mourinho, que mais tarde ainda o tentou levar para o Inter e Real Madrid - e toda a revolta dos adeptos do clube, que queimaram camisolas e o apelidaram de traidor; e, finalmente, a escorregadela fatal quase em fim de carreira que custou o primeiro título de campeão inglês ao seu clube do coração desde 1990. Um jogador ímpar, um clube sem igual, um documentário cativante. "You'll never walk alone"!

terça-feira, fevereiro 12, 2019

Nas Nalgas do Mandarim - S06E02

segunda-feira, fevereiro 11, 2019

Bird Box (2018)

Adaptando a célebre frase de Mark Twain, as notícias desta morte cinematográfica foram claramente exageradas. "Bird Box" está longe de ser a proclamada e anunciada desgraça que as redes sociais difundiram, movendo-se como uma obra claramente imperfeita - os avanços e recuos na história acabam por não resultar enquanto artefacto narrativo, tornando demasiado óbvio o destino de várias personagens - mas, ainda assim, com vários elementos de interesse e suspense que justificam não só o mais casual dos visionamentos como o investimento feito pela Netflix no filme da dinamarquesa Susanne Bier. Mérito para um final risonho quando a esperança era cada vez mais nula e a clara sensação de que Sarah Paulson e Sandra Bullock deviam ter trocado de papéis no casting. Sandrinha, já deste o que tinhas a dar - 45 milhões de visionamentos na semana de estreia, dirão os seus defensores em resposta.

domingo, fevereiro 10, 2019

Eu já sonhei que isto me acontecia!

sábado, fevereiro 09, 2019

Jean-Claude Van Johnson (S1/2016)

Comédia de acção de seis episódios de meia hora produzidos pela Amazon para a sua plataforma de streaming, "Jean-Claude Van Johnson" tem uma mão-cheia de ideias deliciosas centradas em torno da carreira de Jean-Claude Van Damme. O problema é que a nostalgia, as referências cinemáticas e o humor corrosivo que polvilha a série de Dave Callaham (um dos guionistas de "The Expendables") não é acompanhada por uma narrativa minimamente credível - a busca por um dispositivo que provoca mudanças climatéricas instantâneas - e, pior que tudo, sem qualquer linha consistente orientadora entre episódios. Ainda assim, JCVD a fazer de JCVD, aqui agente secreto na vida real para uma agência que, claro, está repleta de vilões. O conflito entre a vida de actor em declínio e de espião atabalhoado, com uma sidekick irresistível (a belíssima Kat Foster) e um conceito revivalista que merecia muito melhor tratamento. Assim, ficou-se pelo cancelamento óbvio, sem espaço para desenvolver a promessa dos segundos finais: uma segunda temporada focada em viagens no tempo. E tão bem que Van Damme as conhece.

sexta-feira, fevereiro 08, 2019

Nalgas Flash Review: Bird Box