quarta-feira, Outubro 01, 2014

Welcome to Sweden (S1/2014)

Comédia bilingue - é notável a naturalidade com que sueco e inglês se misturam durante os episódios, numa opção corajosa dos responsáveis que poderá ter afastado muitos americanos da série da NBC - sobre o choque de costumes e tradições entre duas culturas radicalmente diferentes, "Welcome to Sweden" baseia a sua premissa na história de vida do seu protagonista, Greg Poehler, que há alguns anos decidiu apostar no amor e mudar-se de malas e bagagens para a terra natal da sua namorada sueca. Aqui transformado em ex-contabilista nova-iorquino de celebridades que não lhe largam a mão, mesmo com um oceano inteiro pelo meio, Bruce vai ter que adaptar-se aos hábitos da tradicional família de Emma e do seu novo melhor amigo, um iraquiano que odeia os Estados Unidos e só o tolera porque pensa que Bruce é canadiano. Com um tipo de humor subtil e inofensivo - ao contrário de "Outsourced", que usava as diferenças culturais como arma para a gargalhada e a sátira aos hábitos consumistas dos norte-americanos -, "Welcome to Sweden" tem um certo charme na forma indie como deixa correr a narrativa e promove uma química inegável entre actores talentosos como Lena Olin, Claes Månsson, Josephine Bornebusch e o próprio Poehler. Nem tudo é perfeito ao longo dos dez episódios - muitas vezes parecem faltar cenas de ligação entre momentos chave da história - mas um tio cinéfilo alucinado (Per Svensson) e vários convidados especiais de luxo (Will Farrell, Aubrey Plaza, a irmã na vida real Amy Poehler, etc. etc.) tornam os vinte minutos de cada episódio numa proposta perfeita para uma rapidinha durante um dia ocupado.

terça-feira, Setembro 30, 2014

Good luck.

segunda-feira, Setembro 29, 2014

domingo, Setembro 28, 2014

TCN 2014 - Cartaz

by Brain-Mixer

sábado, Setembro 27, 2014

The Last Ship (S1/2014)


Série de televisão pós-apocalíptica - uma fórmula reinventada com relativo sucesso nos últimos anos -, a primeira temporada de dez episódios de "The Last Ship" arrancou com o fulgor de uma mega-produção vistosa de Michael Bay, aqui produtor executivo, e, após atravessar águas turbulentas - que é como quem diz, dois ou três episódios de interesse praticamente nulo, como o da manutenção do navio em alto mar ou o romance a bordo -, conseguiu ainda assim terminar com algum combustível no depósito para navegar merecidamente numa segunda temporada que, agora em terra firme, promete outra audácia. Com um cenário viral minimamente credível e intriga q.b. sobre o futuro da humanidade, a produção televisiva de verão da TNT norte-americana entretém o suficiente para que as suas personagens unidimensionais, diálogos pouco trabalhados e um par de actores claramente em maré baixa - Rhona Mitra e Adam Baldwin - não sejam suficientes para a afundar. Esperemos apenas que a virilidade de Eric Dane e Charles Parnell seja de agora em diante acompanhada ao mesmo nível na narrativa, quase sempre demasiado leve perante tão dura realidade.

sexta-feira, Setembro 26, 2014

Mann

quinta-feira, Setembro 25, 2014

TCN Blog Awards 2014 - Candidaturas

Estão oficialmente abertas as candidaturas para os TCN Blog Awards 2014. De seguida, seguem as regras e datas para as mesmas. O local da cerimónia será anunciado durante o próximo mês de Novembro, sendo já certo que a mesma acontecerá em Lisboa, no dia 10 de Janeiro de 2015.

REGULAMENTO DAS CANDIDATURAS

CATEGORIAS

Tal como no ano passado, a organização volta a propôr quinze categorias a nomeações e votações. Dependente da quantidade e qualidade de candidaturas a cada uma das categorias, poderão não se oficializar todas elas no anúncio final de nomeados, que ocorrerá no próximo dia 24 de Outubro.

Blogger do Ano
Blogue Individual de Cinema 
Blogue Colectivo de Cinema
Blogue de Televisão
Novo Blogue de Cinema/TV
Artigo de Televisão
Artigo de Cinema
Crítica de Televisão
Crítica de Cinema
Entrevista
Reportagem/Cobertura
Iniciativa
Rubrica
Site/Portal
Prémio Memória

CANDIDATURAS

- Cada blogger, faça parte de um blogue individual ou colectivo, pode submeter no máximo TRÊS auto-candidaturas para CADA categoria. Caso sejam enviadas mais propostas do que estas, serão consideradas as três primeiras da lista.

- Todas as candidaturas recebidas serão analisadas pela ACADEMIA TCN, este ano um grupo ainda a definir de bloggers, ex-bloggers e jornalistas, cuja identidade não será revelada, que sem qualquer pontuação ou ordem preferencial - votação quantitativa - escolherão aquelas que acreditam merecer uma nomeação. As candidaturas mais votadas serão as nomeadas, sendo que cada categoria poderá ter entre três a dez nomeados. Em caso de necessidade de desempate, o voto decisivo será o meu.

- Além das auto-candidaturas, todos os candidatos podem sugerir outros nomeados para categorias que tenham ou não concorrido, desde que não sejam referentes ao blogue em que escrevem. Estas sugestões serão analisadas e, caso os restantes júris as aceitem como válidas e merecedoras de uma nomeação, os bloggers respectivos serão questionados por e-mail se desejam ou não tornar essa candidatura externa, oficial e desejada.

- Para Blogue Individual de Cinema serão consideradas válidas todas as candidaturas cujos blogues contenham 90% ou mais de entradas assinadas em nome de um só elemento.

- Com a divisão entre Iniciativa e Rubrica, importa definir cada um dos prémios: por Iniciativa entende-se todos as acções que reuniram ou fizeram com que dois ou mais bloggers externos a um blogue tenham participado no mesmo, a convite deste, ou qualquer acção que tenha reunido um conjunto de bloggers ou blogues num local ou evento; por Rubrica entende-se qualquer "secção" de um blogue, com um tema/assunto fixo, onde participam apenas o/os blogger/s desse mesmo blogue.

- O Prémio Memória tem como objectivo homenagear blogues de cinema/tv hoje inactivos. O homenageado será decidido anualmente pela organização, mas contamos com as sugestões de todos os candidatos para ajudar-nos na nossa escolha.

DATAS

- Serão consideradas válidas pela organização todas as candidaturas de artigos/críticas/entrevistas/iniciativas publicadas entre 20 de Outubro de 2013 e 19 de Outubro de 2014, bem como todos os novos blogues que se candidatem criados nesse mesmo período; as rubricas não necessitam ter sido criadas neste período, tendo apenas que ter tido actividade que justifique uma nomeação durante estas datas.

- Estas candidaturas têm que ser obrigatoriamente enviadas para o email tcnblogawards@gmail.com entre o dia de hoje, 25 de Setembro de 2014, e o próximo dia 20 de Outubro de 2014.

- Os nomeados serão anunciados no dia 24 de Outubro de 2014.

- As votações do público - que serão posteriormente articuladas com uma votação qualitativa da Academia TCN - decorrerão durante cerca de dois meses, entre o dia 25 de Outubro de 2014 e o dia 25 de Dezembro de 2014. Ao contrário do que é costume, as votações não estarão disponíveis exclusivamente no Cinema Notebook. Desta vez, e para promover uma maior divulgação da blogosfera de cinema e televisão em Portugal, as votações para as catorze categorias estarão dispersas por catorze blogues nomeados aos TCN Blog Awards 2014. Cada local de votação será divulgado aquando da revelação dos nomeados a cada categoria.

quarta-feira, Setembro 24, 2014

Shove it up your...

terça-feira, Setembro 23, 2014

Indiana Jones e a Ponte Suspensa


"Quando recebi o desafio do Miguel, o click instantâneo no meu cérebro apontou-me para a saga do meu velho amigo "Crocodile Dundee". Mas faltava quelque chose a esta escolha que acabaria por não honrar a criatividade desta iniciativa. Era simplesmente demasiado óbvio. Um número dois e um banho depois - nunca tal brejeirice num blogue rimou de forma tão perfeita - e eis que me lembrei de uma possível alternativa com alguma categoria. Faltava confirmar que a cena em questão metia mesmo crocodilos ao barulho e tal festim não era apenas fruto da minha imaginação, agora que deve fazer mais de uma década desde que vi o filme pela última vez. Google comigo e... bingo; sim, "Indiana Jones and the Temple of Doom" tem mesmo uma cena fenomenal com crocodylidaes à mistura, confirma a Indianapedia (sim, Indiana Jones tem a sua própria enciclopédia).

Vamos a ela então: se não me engano, é mesmo perto do fim da fantástica aventura de Indy e Short Round (o meia-leca) contra o malévolo Mola Ram - quem consegue esquecer aquela careca vermelha, qual Iron Man do século passado -, numa ponte suspensa de madeira velha, uma que, contam alguns, Spielberg nunca ousou atravessar (ao contrário de Harrison Ford, que até corria e saltava na mesma), tendo assim que percorrer cerca de três quilómetros de jipe no Sri Lanka sempre que queria filmar na extremidade oposta. Encurralado no meio da ponte pelos homens de Mola Ram, todos armados até aos dentes com catanas maiores que eles próprios, Indiana Jones vê-se literalmente entre a espada e a espada. Também ele de catana em punho, decide fazer o impensável: enrolar bem os pés nas cordas da ponte e, zzzaaamm, cortar a ponte a meio, fazendo com que todos os maus da fita - na verdade, catorze bonecos cujos braços e pernas funcionavam a pilhas, para parecerem verdadeiros durante a queda - acabassem no meio do rio, despachados pela queda se tivessem sorte. Sim, porque os restantes acabaram a sofrer nas mandíbulas de crocodilos esfomeados - curiosamente, num lago qualquer na Flórida e não no Sri Lanka. Pormenor de gén... Spielberg? Encheu as cordas da ponte com areia para causar um arrastamento genial na imagem aquando da queda da ponte. E é isto. Chega, que agora fiquei com uma vontade louca de rever a trilogia - sim, o quarto filme dispenso revisionamento.
"

Texto publicado no Créditos Finais, na rubrica "Cinema Animal", a convite do Miguel Ferreira.

segunda-feira, Setembro 22, 2014

The new True Detectives

"Colin Farrell as Ray Velcoro, a compromised detective whose allegiances are torn between his masters in a corrupt police department and the mobster who owns him. Vince Vaughn as Frank Semyon, a career criminal in danger of losing his empire when his move into legitimate enterprise is upended by the murder of a business partner."

domingo, Setembro 21, 2014

270º, o novo 3D?

sábado, Setembro 20, 2014

Liam "Killer" Neeson

sexta-feira, Setembro 19, 2014

Video Games: The Movie (2014)

"Video Games: The Movie" é uma carta de amor em forma de documentário a todos aqueles que hoje, nos seus trintas/quarentas lembram-se de forma nostálgica da sua primeira consola na década de oitenta, dos jogos que os excitaram durante infindáveis horas, dos clássicos de uma geração. Entretenimento e informação histórica - como é que tudo começou - de mãos dadas através dos testemunhos de major players da indústria, produtores diversos e, muito importante, vários consumidores compulsivos, Jeremy Snead apresenta-nos o passado, o presente e o futuro da indústria cultural mais rentável do planeta. Se a parte técnica sobre o making-of dos jogos e qual o destino destes fere um pouco o groove saudosista deste projecto financiado através do Kickstarter, a verdade é que uma esmerada escolha musical, a história de como o "E.T." de Spielberg levou a Atari à falência e a melhor sequência de créditos iniciais dos últimos anos asseguram que esta é, sem margem para dúvidas, uma proposta imperdível para qualquer um que tenha saudades de ser criança, de olhar para meia dúzia de bits e sentir um mundo novo à frente.



quinta-feira, Setembro 18, 2014

Apetite cinéfilo

quarta-feira, Setembro 17, 2014

Chastain, Isaac & Chandor

terça-feira, Setembro 16, 2014

CCOP - Top de Agosto de 2014

Pela primeira vez este ano, um filme português lidera um top mensal do CCOP: o documentário de Joaquim Pinto, E Agora? Lembra-me, recebeu uma classificação média de 8,33 (recebeu duas notas máximas). A sua classificação permite-lhe ocupar a sétima posição na lista dos melhores filmes do ano para o colectivo de críticos, ex-aequo com o também documentário A Imagem Que Falta. O candidato português ao Óscar 2015 de Melhor Filme Estrangeiro é também o segundo filme de produção nacional com maior classificação de sempre no CCOP: apenas abaixo de Tabu, com 8,89. A segunda nota mais elevada do mês de Agosto em Portugal vai para Ilo Ilo, vencedor do prémio Caméra d'Or para Melhor Filme de Estreia no Festival de Cannes 2013. Realizado por Anthony Chen, o filme recebeu a nota de 7,38. Já o blockbuster da Marvel, Os Guardiões da Galáxia, foi votado com a nota média de 7,17, ocupando a terceira posição da tabela mensal.

Top de Agosto de 2014

1. E Agora? Lembra-me, de Joaquim Pinto | 8,33
2. Ilo Ilo, de Anthony Chen | 7,38
3. Os Guardiões da Galáxia, de James Gunn | 7,17
4. O Homem Mais Procurado, de Anton Corbijn | 7,00
5. Dava Tudo Para Estar Cá, de Zach Braff | 7,00
6. O Salão de Jimmy, de Ken Loach | 6,40
7. Lucy, de Luc Besson | 5,42
8. Sin City: Mulher Fatal, de Frank Miller, Robert Rodriguez | 4,86
9. Os Mercenários 3, de Patrick Hughes | 3,40

segunda-feira, Setembro 15, 2014

The Tree of Life (2011)


Certamente uma experiência de amor ou ódio para a maioria dos espectadores, "A Árvore da Vida" conquistou surpreendentemente a Palma d'Ouro em Cannes após uma estreia com mais assobios do que aplausos. Eu coloco-me a meio caminho: se não considero justo rotular o filme de demasiado ambicioso e visualmente desordenado como muitos o fizeram, também não consigo em consciência elogiar a obra de Terrence Malick como um estudo metafísico brilhante sobre a vida humana. Se aprecio e julgo interessante a dicotomia entre duas formas distintas de ver o mundo - a do patriarca da família, um Brad Pitt sempre sobre pressão, que desgasta-se na sua natureza de raiva e frustração, e a graciosa Jessica Chastain, que enfrenta a vida com um sorriso, sabendo que a única maneira de ser verdadeiramente feliz é através do amor -, também lamento que "The Tree of Life" perca muito mais tempo a filosofar do que a explorar emocionalmente os conflitos entre os membros da família O'Brien, principalmente entre os três irmãos. Ainda assim, uma cinematografia notável e uma mão-cheia de imagens inesquecíveis justificam uma oportunidade. Mesmo que depois acabe em divórcio.

domingo, Setembro 14, 2014

sábado, Setembro 13, 2014

The Wolf of Wall Street (2013)

Cada segundo, cada frame das cerca de três horas de duração de "O Lobo de Wall Street" é a manifestação exaltante, fascinante e enérgica do acumulado de experiências da vida cinematográfica de um génio, um realizador intenso que após quase cinquenta anos de carreira continua a inovar e a surpreender. Comédia negra épica que nunca cansa nem se cansa, Martin Scorsese e Terence Winter (guionista de séries como "The Sopranos" ou "Boardwalk Empire") apresentam-nos uma lição de mestre sobre a imoralidade, num capricho sensacionalista que celebra a selvajaria financeira nos EUA, tornando-o uma espécie de "Goodfellas" de betinhos da bolsa, uma fábula sobre a fome por poder e a sede da ganância. Variação prazenteira do tipo de narrativa favorita de Marty - a ascensão e queda de um anti-herói -, Leonardo DiCaprio e companhia - e que bela companhia, a começar pela deleitosa Margot Robbie cujo olhar nos hipnotiza e terminando no primoroso Jonah Hill, sempre afinado em qualquer dos registos que lhe é pedido durante as extravagâncias de Belfort - conseguem dar glamour ao crime sem o promover, deixando ao critério do espectador toda e qualquer condenação moral que compense a forma endoidecida como os bons costumes são devastados. A melhor estreia em sala do ano e, sem exageros, o melhor Scorsese dos últimos vinte anos.

sexta-feira, Setembro 12, 2014

Keanu Wick

quinta-feira, Setembro 11, 2014

Lucy (2014)

"Lucy" é uma paródia à pretensiosidade, um hino à estupidez, uma fita cuja intenção desmesurada de ser inteligente e filosófica torna-a mais cómica do que cósmica. Definitivamente o pior - e mais idiota - capítulo da carreira do conceituado realizador francês Luc Besson, é impressionante como um ponto de partida riquíssimo e fértil é transformado numa anedota sci-fi que faz, dentro do mesmo conceito, "Limitless" parecer uma obra-prima. Scarlett Johansson continua sem convencer este estaminé a nenhum nível - nem no ecrã nem fora dele - e Morgan Freeman não tem liberdade para sair da sua zona de conforto. Ou os meus dez por cento cerebrais são demasiado limitados para tamanha patetice, ou esta incursão no sentido da humanidade e no desbloqueio de infindáveis faculdades intelectuais prova apenas que, para alguns, a ignorância é uma verdadeira benção.

quarta-feira, Setembro 10, 2014

Closed Circuit (2013)

Thriller de conspiração governamental mediano, "Circuito Fechado" tem na paranóia constante do seu duo protagonista o grande trunfo cinéfilo de uma narrativa que, ao contrário do que é regra no género e aparenta pelo seu enigmático trailer, revela à audiência demasiado cedo todos os seus elementos mistério. O drama pessoal entre as personagens-chave - a sua relação profissional não pode ser afectada pelo passado amoroso de ambos - acaba por se revelar desinteressante para o pálido desfecho da fita de John Crowley ("Intermission" e "Boy A"), transmitindo a sensação de que tão importante mensagem sobre a corruptibilidade do poder merecia melhor tratamento. Fechado o circuito, a corrente eléctrica acaba por não ser suficiente para ligar o recomendómetro e esquecer a forma passiva e pouco tensa como esta crítica à famosa "war on terror" é tratada. Em suma, muita informação, pouca coragem; boas interpretações, reles representações; e sólido arranque, frouxo final.

terça-feira, Setembro 09, 2014

Snowpiercer (2013)

O "Expresso do Amanhã" revela-se um filme com um potencial tremendo que é traído por várias escolhas narrativas infelizes, para não dizer patéticas. Com uma direcção artística interessante e fora do comum, bem como um par de interpretações surpreendentes de Chris Evans e Tilda Swinton - "know your place, accept you place, be a shoe" -, a responsabilidade deve-se a um provável deslumbramento do sul-coreano Bonh Joon-ho ("The Host" e "Mother") nesta sua primeira experiência fora-de-portas, onde meios e recursos infindáveis deram azo a liberdades criativas que danificaram irremediavelmente a credibilidade da história e o impacto emocional das consequências relativas às personagens-chave. Ainda assim, "Snowpiercer" entretém q.b. durante duas horas, deixando o espectador na expectativa sobre o desfecho da aventura, naquele que é um retrato metafórico cruel da condição humana e da evolução das sociedades modernas, estilizado em excesso e pensado em défice.


segunda-feira, Setembro 08, 2014

Welcome to the future of your past

domingo, Setembro 07, 2014

Os Heróis da Blogosfera estão a chegar

Cortesia, como é costume, do Brain-Mixer. Novidades em breve.

sábado, Setembro 06, 2014

Mia aioniotita kai mia mera (1998)

Alexander (Bruno Ganz) está prestes a ser internado num hospital, com dores demasiado insuportáveis para se conseguir manter, sozinho, em casa. Este é o dia anterior ao internamento, aquele em que decide arrumar a velha casa à beira-mar onde sempre morou, revisitando velhas memórias através das cartas de Anna, mulher com a qual casou cedo e cedo partiu deste mundo. E é nessas recordações que Alexander vai perceber que o seu tempo está a chegar ao fim. Vencedor da Palma de Ouro no Festival de Cannes de 1998, “A Eternidade e um Dia” é a obra-prima máxima do conceituado realizador grego Theo Angelopoulos, uma que aborda tantos temas fulcrais da nossa existência quanto assuntos sociais e políticos sensíveis dos estados modernos. O tempo, a memória, a perda, o nascimento, a morte, o casamento, a prisão, o espírito aventureiro, tudo é recordado e analisado ao longo de um passeio à beira-mar, nas cartas da falecida esposa do protagonista narradas através da insinuante voz de Isabelle Renault, apelos poéticos tão apaixonantes quanto nostálgicos que reconstroem uma vida, a de Alexander, e possivelmente a de infinitos cinéfilos, perdidos e destroçados nas associações que fazem à sua própria existência. O tempo, tridimensional, intemporal, esvanece-se na interpretação fenomenal de Bruno Ganz, actor com uma presença magnética, que ganha força para viver no amor sagrado e secular da mulher da sua vida. A solidão de Alexander transforma-se com a nostalgia dessa paixão e a sua perspectiva existencialista altera-se. Até quando dura o amanhã? Uma eternidade e um dia, responde Alexander, perante o espelho de uma vida, ou como todos chamam, a morte. Um filme intenso, humano e belo, mesmo que triste.

sexta-feira, Setembro 05, 2014

Joan Rivers (1933–2014)


"My best birth control now is just to leave the lights on."