sexta-feira, julho 31, 2020

Wilford Brimley (1934-2020)

quinta-feira, julho 30, 2020

Creepy

quarta-feira, julho 29, 2020

Army of Shadows (1969)

Passou-me ao lado a sua afamada grandiosidade, naquele que é mais um perfeito exemplo de um filme que me deixa a questionar sobre a minha perspectiva crítica e, chamemos-lhe, educação cinéfila. Vejo a classe na cinematografia partilhada de Pierre Lhomme e Walter Wottitz, testemunho o papelaço frio e magnânime de Lino Ventura mas, e cá chega o grande mas, não percebo o entusiasmo em torno do ritmo lento projecto por Melville, numa história onde tudo acontece sem nada acontecer, onde as peripécias a bordo de um avião, submarino ou carro pouco ou nada acrescentam ao todo, onde as decisões preponderantes - como a que encerra o filme - pouco ou nenhum sentido fazem de acordo com os ideais defendidos, onde a cena mais memorável é ao mesmo tempo aquela mais improvável: um homem que consegue escapar aos tiros de uma metralhadora a andar/correr em linha recta. Entediante, por mais audaz e meritória que seja a história real que lhe dá vida.

terça-feira, julho 28, 2020

Nalgas Flash Review: Incendies

segunda-feira, julho 27, 2020

Alan Parker (1944–2020)

domingo, julho 26, 2020

Daniel Kaluuya’s first Oscar

sábado, julho 25, 2020

The Rental (2020)

Um slasher da era Airbnb camuflado num cartaz tão misterioso e promissor quanto enganador. Quarenta minutos de pequenas e insignificantes tensões amorosas e raciais, personagens pouco ou nada interessantes, realização decente do menos alucinado dos irmãos Franco e um desfecho ainda assim audaz no meio da desinspirada falta de criatividade mórbida que remete para uma mensagem simples mas importante em tempos de pandemia: fiquem em casa. Sim, porque na Comporta também há voyeurs.

sexta-feira, julho 24, 2020

James Hong

"He spoke Mandarin with Keanu Reeves in "The Day the Earth Stood Still." He backflipped his way out of a fight in "Wayne's World 2." He was the supportive, noodle-loving Mr. Ping in "Kung Fu Panda." On television, he was the maître d' in the episode of "Seinfeld" titled "The Chinese Restaurant." Without exaggeration, Hong might be the most prolific actor in Hollywood history. With more than 600 credits to his name, he may lay claim to the most credits of any actor, living or dead." [CNN]

quinta-feira, julho 23, 2020

Nalgas Flash Review: La Cara Oculta

quarta-feira, julho 22, 2020

terça-feira, julho 21, 2020

Snowpiercer (S1/2020)

Um misto de sentimentos em torno desta primeira temporada; se por um lado trata-se de um mistério sci-fi com ambição, estilo e, bem, a esplendorosa Jennifer Connelly num papel repleto de ambiguidades e segredos, por outro não conseguimos evitar as comparações com a adaptação cinematográfica revolucionária e inquietante do parasita Bong Joon Ho, muito mais suja, profunda e socialmente mordaz. Uma fábula pós-apocalíptica sobre a luta de classes, o capitalismo, o desespero e a sobrevivência, num comboio de mil e uma carruagens que promete ganhar novos passageiros - Sean Bean é o nome mais sonante para a segunda temporada - em breve. Porque, com uma premissa e um novo mundo tão cativante como este, é difícil descarrilar o interesse do público por mais trilhos desalinhados que vão aparecendo. E a Jennifer, já vos falei da Jennifer?

segunda-feira, julho 20, 2020

Russian Alien

domingo, julho 19, 2020

How the DVD and Blu-ray market is facing a very tricky winter

"It’s no secret that the last three months of the year are by distance the most lucrative for home entertainment sales, when the gifting market is in full flow. As such, studios over the past years have made sure that their core titles are pretty much all out by the end of October (the biggest film of last year, Avengers: Endgame, was on sale on disc by the end of August, giving it a four month run-up to Christmas). Here, in the best case scenario, the first big new disc release won’t be until mid-November. Something like Wonder Woman 84, now due in cinemas at the start of October, won’t under the existing agreement be able to be released on disc in the UK until January 1st 2021. And by then, most of us have put our credit cards away. Add in the impact of a global recession expected to take a firm grip, and it’s all a bit melancholy." [Film Stories]

sábado, julho 18, 2020

sexta-feira, julho 17, 2020

Nas Nalgas do Mandarim - S07E10

quinta-feira, julho 16, 2020

Possession (1981)

Uma alegoria ao divórcio sob diferentes perspectivas - da pecadora ao marido ausente, sem esquecer a vítima infantil de todo o processo -, uma obra repleta de simbolismos com expressão potenciada não só pelo meio - cinema - como pelos intervenientes, com especial destaque para o desempenho assombroso de Isabelle Adjani, uma das mais ousadas, arrepiantes e bizarramente competentes interpretações que já se viram numa tela. Um pesadelo surreal orquestrado por Andrzej Zuwalski, que deambula rapidamente e sem grandes regras entre a realidade e a alucinação, entre o delírio e a loucura, entre a ambiguidade da culpa psicológica aos desejos carnais mais vividos. Dificilmente alguma vez iremos perceber tudo o que nos foi atirado à cara, entre performances teatrais estapafúrdias e monstros grotescos, mas está também nesse mar de dúvidas parte do seu encanto e charme. E aquela cena no túnel? Eterna.

quarta-feira, julho 15, 2020

Sugar Bates @ À Beira do Abismo

terça-feira, julho 14, 2020

Remember Bright? Netflix clearly didn't.

segunda-feira, julho 13, 2020

The Shadow (1994)

Visualmente um mimo saudosista de uma era no cinema onde tudo parecia palpável por mais surreal que fosse - de uma faca mágica mal intencionada a um descendente de Gengis Khan completamente desenquadrado em Nova Iorque sem que ninguém ache estranho -, numa estética kitsch que não tinha vergonha das suas cores e vícios imprudentes, o grande problema deste "A Sombra" é, pura e simplesmente, tudo o resto. Quinze minutos iniciais que pareciam um sketch televisivo de humor ao sabor do vento que passava na penugem peitoral de um Alec Baldwin rude e gadelhudo, personagens, tanto do lado do bem como do mal, estereotipadas ao limite, Baldwin constantemente desconfortável na gabardina de um super-herói, zero cenas de acção com brilho ou identidade própria, um super poder - manipulação da mente - usado tanto por herói como vilão apenas para umas parvoíces sem impacto nenhum relevante no desenrolar da trama e, por fim, todo um elenco secundário delicioso, de McKellen e Curry ao meu querido Peter Boyle, desaproveitados em prol de um herói e vilão sem charme nem metade do carisma destes. Ainda assim, melhor que qualquer Marvel recente. Pronto, estou a brincar. Estarei mesmo?

domingo, julho 12, 2020

Kelly Preston (1962-2020)

sábado, julho 11, 2020

Asimov's Foundation by Apple

sexta-feira, julho 10, 2020

Quiz (S1/2020)

Dramatização dividida em três episódios sob a égide da ITV, "Quiz" retrata a história em torno da alegada fraude cometida por um major do exército britânico na versão britânica do "Quem Quer Ser Milionário". Uma "alegação" demasiado óbvia na sua culpabilidade mas que, ainda assim, nunca é assumida pela série, respeitando a postura pública sempre tomada pelos diversos intervenientes do esquema - inclusive em julgamento - ao mesmo tempo que frustra o espectador e inutiliza o exercício, que procurava aqui algo mais do que aquilo que pode facilmente encontrar sobre o caso na internet. Dificilmente naqueles momentos privados do casal o assunto nunca seria assumido ou discutido, como aqui acontece por claro desconhecimento do que se passou dentro de quatro paredes, esvaziando assim a controvérsia do assunto numa narrativa insonsa, que não aproveita o excelente elenco que tem - além do casal encarnado por Matthew Macfadyen e Sian Clifford, temos direito a outra actuação camaleónica e irresistível de Michael Sheen - nem contextualiza histórias em torno dos personagens que poderiam ajudar a inclinar um dos pratos da balança - entre eles, talvez o mais importante, o facto do major Charles Ingram ter sido uns anos depois condenado por fraude de seguros, num suposto roubo a sua casa que foi provado nunca aconteceu. E assim, abanando a cabeça positivamente ao mesmo tempo que a boca diz não, desperdiçamos três horas e excelentes valores de produção.

quinta-feira, julho 09, 2020

Nas Nalgas do Mandarim - S07E09

quarta-feira, julho 08, 2020

Group Hysteria

terça-feira, julho 07, 2020

You Should Have Left (2020)

David Koepp e Kevin Bacon já tinham trabalhado juntos no milénio passado no interessante "Espíritos Inquietos", pelo que o reencontro deixava a pulga atrás da orelha. Rapidamente tiramos o cavalinho da chuva e percebemos que vamos pentear macacos durante hora e meia, até porque muitos anos a virar frangos tanto de um como de outro pouco ou nada servem para partir a loiça toda. Macacos me mordam se alguém descobriu ponta de química entre Bacon e a boa como o milho Seyfried, ele sempre com os azeites, ela com cara de quem foi obrigada a engolir sapos. Numa premissa com potencial para dar água pela barba, a narrativa, qual barata tonta, mete-se, e perdão desde já pela redundância, à sombra da bananeira das sombras, eficazes no seu propósito imediato mas insuficientes para soltar a franga de tudo o resto. No cu de Judas, andamos constantemente a dar a volta ao bilhar grande, enquanto nos dão tanga à espera de abrir o jogo. Quando o fazem, praticamente à cara podre, já sem élan, capricho ou surpresa, ficamos de trombas e pensamos: nem que a vaca tussa estes dois voltam a enganar-me. Vá lá, sempre deu para, com uma perna atrás das costas, encher estas linhas com expressões populares portuguesas. Agora é meter o rabo entre as pernas e sair.

segunda-feira, julho 06, 2020

Oley Sassone @ VHS

domingo, julho 05, 2020

Ennio Morricone (1928-2020)

sábado, julho 04, 2020

Shirkers (2018)

O George era um crápula invejoso que roubou um projecto de adolescência a umas amigas de Singapura que, por sua vez, também se colaram a ele para se aproveitarem do seu know-how e experiência na realização. Ele, casado, pensou que ia conseguir molhar o pincel numa adolescente que quis viajar com ele de carro pelos Estados Unidos da América. Não conseguiu, despachou-a à primeira oportunidade. Fim da história em menos noventa minutos do que este documentário narcisista e egocêntrico da Netflix conseguiu, onde nada é descoberto e tudo cai nas mãos da realizadora por iniciativa da viúva de George. Intelectualmente fraudulento e insultuoso - não, ninguém pode afirmar, muito menos a parte interessada, que "Shirkers" ia revolucionar o cinema de Singapura quando nunca sequer tinham visto nada do que filmaram -, eis uma viagem vazia, repleta de suposições transformadas em verdades - alguém considerou sequer que aquelas cassetes VHS todas em "branco" podem ter ficado assim por terem passado em inúmeras máquina de raios-x nas várias alfândegas que percorreram na sua "volta ao mundo"? -, com uma sonoplastia medonha e repetitiva e uma mão-cheia de colagens cinéfilas forçadas até ao tutano com a sua experiência de vida apenas para poder ostentar a bandeira de "carta de amor cinéfila" na sua premissa. Enfadonho e auto-indulgente.

sexta-feira, julho 03, 2020

Shia meets David Ayer

quinta-feira, julho 02, 2020

Nalgas Flash Review: A Arca Russa

quarta-feira, julho 01, 2020

The Keep (1983)

A primeira (e última) incursão no terror na filmografia de Michael Mann continua a ser a ovelha negra que o próprio, tal como o autor do livro que o inspirou, renega e repudia sempre que é chamada ao barulho pelos cinéfilos mais curiosos. Apesar dos diálogos foleiros, dos efeitos ocasionalmente manhosos, de uma cena de sexo sem qualquer sentido, da história e da mitologia que só se percebe a espaços - pudera, as três horas e meia da versão inicial de Mann foram retalhadas para pouco mais de hora e meia pela Paramount, deixando tudo numa enorme névoa de incógnitas e probabilidades que provavelmente nunca será desfeita -, a verdade é que "O Guardador do Mal" não deixa de exibir rasgos do talento e dos traços de marca - a câmara lenta, os brilhos e as cores - de Mann, com uma premissa intrigante e um arranque fenomenal - a chegada à pequena localidade dos Cárpatos para ocupar uma velha fortaleza, ao som sintetizado tão enigmático quanto quase sempre fora de tom dos Tangerine Dream. Toda a glória de uma loucura que falha rotundamente, toda a falta de classe e de preocupações de uma época dourada no género e no estilo que tantas saudades deixou. O que eu dava por um documentário com esta malta toda - Scott Glenn, Gabriel Byrne, Ian McKellen e claro, Michael Mann - a explicar tudo o que este "The Keep" deveria ter sido.