terça-feira, junho 05, 2007

Kate & Leopold (2001)

Ele, Leopold, é um charmoso Duque e vive na aristocrática Nova Iorque de finais do Séc. XIX. Ela, Kate, é uma formosa e competente executiva da grande e moderna Nova Iorque do Séc. XXI. Enquanto ele vive na iminência de ter de anunciar um noivado sem amor, ela acaba de sair de mais uma frustrada relação amorosa. Um dia, enquanto perseguia um penetra de um baile na mansão onde vivia, Leopold é vítima de um estranho fenómeno natural que o transporta até à época de Kate. Entre inépcias e confusões, o inevitável acontece: Leopold, apaixona-se por Kate.

Apesar da realização competente do camaleónico James Mangold ("Girl Interrupted", "Identity" ou "Walk the Line") e da premissa sempre atractiva das viagens temporais, "Kate & Leopold" acaba por saber a pouco, num estilo pouco imaginativo e desafortunadamente conformista. Mesmo assim, a eterna namoradinha da América, Meg Ryan e Hugh Jackman abrilhantam uma obra que, apesar da falta de vigor e energia, consegue transmitir alguns momentos hilariantes, com algum charme e reverência. Não fosse Jackman, já na altura, um verdadeiro poço magnético de habilidade e formosura, numa personagem que apetrecha-se de similaridades infinitas com o seu recente desempenho em "Scoop", de Woody Allen.

E a diferença principal em relação a este último é simples: falta o toque de génio de um humorista eficaz. Porque não fosse esta a primeira experiência no género de Mangold e certamente "Kate & Leopold" não teria sido angustiadamente previsível. Infelizmente, um bom conceito sem estrutura de pouco vale, e o maior trunfo do filme - além da dupla principal - acaba mesmo por ser o secundário Breckin Meyer, que compete através da sua banalidade sócio-cultural, com as reacções da aristocrática e bem educada personagem de Jackman, à incivilidade estabelecida na nossa sociedade de consumo. Com o potencial inerente em mente, "Kate & Leopold" acaba por afigurar-se insignificante, apesar de delicado.

7 comentários:

Anónimo disse...

Concordo contigo Knox.
Gostei do filme embora com o sentimento de que poderia ter sido mais.

É um bom filme de domingo :p

Abraço!

CP disse...

A primeira vez que vi este filme gostei mas não sabia explicar porquê.
Da segunda vez que o vi percebi: por ser um filme leve. Desta segunda vez já não gostei assim tanto mas para filme de domingo não está nada mal.

De resto concordo plenamente com a tua crítica. Mas acho que lhe daria duas estrelas apenas.
:)

Anónimo disse...

A figura interpretada pelo Liev Schreiber também não está nada má...
É um filme pequeno mas não deixa de ser bastante agradável. 3 estrelinhas, nem mais... :)

Anónimo disse...

Oi, achei teu blog pelo google tá bem interessante gostei desse post. Quando der dá uma passada pelo meu blog, é sobre camisetas personalizadas, mostra passo a passo como criar uma camiseta personalizada bem maneira. Até mais.

Carlos M. Reis disse...

Simão, nem mais. Um abraço!

CP, percebo-te completamente. Julgo que aconteceria o mesmo comigo! Um abraço

H, sim, mas não tão brilhante como as dos seus colegas masculinos de elenco. Beijinhos!

Rodrigo, cumprimentos.

Joana disse...

gostei da temática mas achei o filme um bocadinho sem sal.

Carlos M. Reis disse...

De acordo, então :)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...