quinta-feira, outubro 30, 2008

Max Payne (2008)

Desilusão. Palavra que define na perfeição aquela que tinha tudo para ter sido a melhor adaptação cinematográfica da história dos videojogos, mas que acabou por se tornar num produto altamente previsível, onde tudo é o que parece, golpeando de forma crua as mais inocentes expectativas cinéfilas. Com um argumento risível, apoiado em diálogos fúteis e frívolos, “Max Payne”, o filme, não faz jus ao jogo complexo e surpreendente que rapidamente conquistou adeptos nos quatro cantos do mundo em 2001, ano do seu lançamento. Desenvolvido sobre o pretexto de vingança de um polícia cuja mulher e filho são brutalmente assassinados, John Moore – o mesmo realizador de “Behind Enemy Lines” ou “Flight of the Phoenix” – não consegue orquestrar nada mais do que um produto semi-noir, sem qualquer respeito ao potencial de culto de uma história que merecia ter ido parar à secretária de Quentin Tarantino ou John Woo.

Com um elenco trivial, onde Mark Wahlberg volta a patentear a sua inexpressividade representativa, o vulgar Chris Ludacris não passa de um boneco desarticulado sem objectivos práticos no desenrolar da narrativa e a promissora Mila Kunis apenas serve para maravilhar os olhos dos cinéfilos menos exigentes, “Max Payne” é um thriller de acção que não é thriller por um único segundo. A redundância explica a falta de intriga, num enredo onde todos os vilões actuam em modo “amador”, sendo oferecidos ao espectador nos primeiros minutos da fita. Não há elementos de surpresa – desrespeitando o jogo de computador – e, apesar da cinematografia cuidada e interessante, até o proclamado efeito “câmara-lenta” parece ter sido mal aproveitado. Com um argumento pobre e um elenco desadequado, não estranha que a reacção mais comum à saída da sala de cinema tenha sido a de expectativa sobre a presença de Olga Kurylenko em “Quantum of Solace”, o próximo capítulo da saga 007. É que, sobre trajes curtos e fogosos, a actriz ucraniana deu indicações que pode muito bem ser uma das mais escaldantes “Bond Girls” dos últimos tempos.

O que fica então de “Max Payne”, além da oportunidade perdida de (re)lançar o género para um patamar de reverência? Algumas cenas de acção bem filmadas, uma fotografia apropriada ao ambiente escuro e sombrio do jogo de computador e um Beau Bridges competente q.b. Pouco, muito pouco para quem anunciou, como John Moore o fez, que este Max Payne iria colocar a um canto Batman e Joker. Nem em sonhos.

4 comentários:

abidos disse...

Concordo, inclusive com a 'promissora' Olga!!!

O melhor da noite foi o trailer do 'Arte de Roubar', com as estranhas pronuncias e tudo...!!!

DAGC disse...

Todas as criticas que tenho lido, têm sido muito parecidas com as tuas...

Até achei interessante o conceito de se fazer um filme dum jogo como o Max Payne... mas parece que saiu o tiro pela culatra.

Cumps ;)

João Silas disse...

Mas será que ninguém gostou?

Knoxville disse...

Como dise o DAGC, o tiro saiu pela culatra. Um falhanço total, culpa da equipa que pegou no projecto, escolheu o elenco e adaptou uma história. Better luck next time :|

Cumprimentos abidos, DAGC e João!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...