sábado, janeiro 10, 2009

Serendipity (2001)

Jonathan Tragger (John Cusack) e Sara Thomas (Kate Beckinsale) conhecem-se, por mero caso, na véspera de Natal, quando ambos procuram comprar o último par de luvas disponível numa loja. A empatia entre ambos é instantânea e a curiosa conjuntura leva a que Jonathan queira encontrar-se de novo com Sara. Comprometida – apesar de encantada com a maneira de ser de Jonathan -, Sara escreve o seu nome e o seu número de telefone num livro, afirmando que o vai colocar à venda numa livraria de Nova Iorque. Se o destino quiser que ambos se unam, tal acontecerá. Da mesma forma, Jonathan faz o mesmo, mas numa nota de cinco dólares. Será que o “once in a lifetime” poderá acontecer mais do que uma vez?

Os motivos de interesse que sustentavam a viabilidade económica de “Feliz Acaso” eram vários: um elenco secundário de respeito, a promessa de um romance baseado nos caminhos imprevisíveis do destino e a junção em papéis principais de duas das figuras mais desejadas pelo grande público da indústria comercial cinematográfica norte-americana. E a verdade é que “Serendipity” acabou por funcionar na bilheteira, arrecadando o dobro dos seus custos, mas fracassou em certa medida nas mais variadas esferas de análise. A razão é simples: a narrativa de “Feliz Acaso” é simples, previsível e só pode agradar aos que conseguirem sobrepor a história de amor, pateta tal como o sentimento, sobre a lógica da razão.

O significado do título original deixa adivinhar isso mesmo: uma aptidão aparente para descobertas fortuitas e acidentais. E ao aplicar tal fado ao guião, o realizador Peter Chelsom – o mesmo de “The Mighty” ou “Shall We Dance”, de resto num registo em que se sente confortável – fica à mercê da boa vontade da audiência em acreditar em tão indecifráveis coincidências. Quem o fez, como eu, provavelmente ficou arrebatado com uma das mais simpáticas e ternurentas histórias de amor transpostas para o cinema nesta década. Quem não o fez, sempre pôde aproveitar o exímio rol de interpretações, com especial destaque para os secundários Jeremy Piven e Eugene Levy, este último num desempenho brilhante, distante da personagem bacoca da saga “American Pie”. Se juntarmos à fórmula uma banda sonora agradável, estamos perante um daqueles filmes perfeitos para assistir com a alma gémea. Porque é sobre isso mesmo que “Feliz Acaso” trata.

8 comentários:

Red Dust disse...

Um filme rotineiro, sem grandes aspectos de destaque. Ideal para a sessão de uma tarde de frio...

6/10.

Abraço.

abidos disse...

Já lá vai uns aninhos, mas lembro-me que gostei...
Filme leve, mas agradável, um dos mais bem conseguidos pelo John Cusack neste genero, e ele fez vários...

Filipe Machado disse...

– Participe na sondagem "Melhor James Bond com Sean Connery" até ao dia 31 de Janeiro 2009, em http://additionalcamera@blogspot.com.

DAGC disse...

Dos melhores filmes do género, quer a Kate quer o John estão sublimes neste filme. Filme muito consistente. Já o vi à uns anitos...

Pena que a Kate não tenha tido entretanto mais papeis deste estilo.

Cumps ;)

dfms disse...

o título original até parece que tem um toque mágico, estando de mãos dadas com o destino que vive neste filme... simples, mas bem conseguido..

lmlas disse...

Faz sonhar... Gostei

Knoxville disse...

Unânime então. O que a Kate faz a um coração mole... :P

Cumprimentos a todos, obrigado pela visita!

O (A)Normal disse...

é muito giro

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...