quinta-feira, março 25, 2010

Up in the Air (2009)

Ryan Bingham é um homem cuja profissão – que consiste basicamente em despedir pessoas por todo o país, em prol da maximização de recursos - levou-o a amar um bom quarto de hotel e o coleccionismo de milhas aeronáuticas. Em média, Ryan está em viagem cerca de trezentos dias por ano; e não se importa minimamente com isso. A verdade é que os aeroportos são o mundo perfeito para quem teme um compromisso sério, uma vida dedicada aos filhos ou a uma só mulher. A caminhar para a meia-idade, Ryan está a poucas viagens de se tornar o sétimo passageiro na história da United Airlines a atingir as dez milhões de milhas. Mas também prestes a perceber que a sua filosofia de vida pode não ser mais do que uma utopia. Quando o amor lhe bater à porta, estará Ryan preparado para não a abrir?

Filho do célebre realizador eslovaco Ivan Reitman, responsável por clássicos da comédia como "Ghostbusters" (1984), "Twins" (1988) ou "Junior" (1994), Jason Reitman é, aos trinta e dois anos de idade, um dos mais promissores realizadores norte-americanos da actualidade. Depois do surpreendente "Obrigado por Fumar" e do acolhedor e harmonioso "Juno", uma das melhores fitas dos últimos anos, Nas Nuvens é a confirmação de que Reitman é um cineasta soberbo ao nível da imagem, na relação custo-proveito, na fusão sono plástica e na construção narrativa cómico-dramática, sempre equilibrada e suportada por diálogos tão simples como eficazes e cativantes. Mas será a mestria técnica de Reitman suficiente para compensar um filme que vai perdendo fôlego ao longo dos minutos, repetindo lugares comuns e falsos moralismos psicossociais, sem um único momento de génio que fique guardado na memória futura do espectador?

A resposta certamente variará de cinéfilo para cinéfilo. Verdade seja dita, depois da previsível epifania relacional e comportamental que ocorre com a personagem de George Clooney, Reitman orquestra um desfecho genuinamente inesperado e agridoce, tão cruel como o amor muitas vezes o é. Obra de uma geração moderna para outra, "Up in The Air" não é o melhor exercício prático de Reitman na sua ainda curta carreira, mas não deixa de ser a confirmação de que o norte-americano está definitivamente talhado para muitas estatuetas nas próximas décadas – e, quem sabe, já este ano. A nível interpretativo, Clooney carrega o filme às costas com categoria – e muito charme -, sendo bem coadjuvado pelas secundárias Vera Farmiga e Anna Kendrick. Os três, bem como Reitman e o próprio filme, estão nomeados para as principais categorias dos Óscares, mas dificilmente sairão vencedores devido à forte concorrência. Em suma, e parafraseando Dana Stevens, "Nas Nuvens" é um filme cujos seus trunfos tornam-no irresistível, impossível de não gostar. E é exactamente isso que o torna tão entediante.

3 comentários:

dfms disse...

Concordo com a pontuação e com a crítica em si...

Tiago Ramos disse...

Não achei o filme estonteantemente genial, mas gostei. E por quê? Primeiro porque é "oportunista" o suficiente para surgir na altura certa... a conjectura económica faz de Up in the Air um filme actual. Mas tocou-me principalmente porque me encaixo no público alvo. Não porque esteja desempregado, mas porque trabalho em recursos humanos e estou habituado a encarar essa realidade que é despedir pessoas. Nada fácil.

Miguel Reis (Knoxville) disse...

Dfms, mais uma vez, estamos em sintonia ;) Cumprimentos, obrigado pela visita regular.

Tiago, concordo completamente quando dizes que o filme surge na altura certa. De resto, percebo que o contexto tenha influenciado a tua opinião, o que é completamente natural (e saudável) ;) Um abraço.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...