quarta-feira, outubro 13, 2010

Whatever Works (2009)

Boris Yelnikoff (Larry David) é um físico reformado desiludido e descontente com a vida. Depois de um divórcio pouco ortodoxo, uma nomeação inconsequente para um prémio Nobel, que roubou-lhe o tão esperado reconhecimento eterno e uma tentativa de suicídio mal sucedida, Boris resigna-se à melancolia e isola-se num pequeno rés-do-chão em Nova Iorque. Mas a sua existência está prestes a mudar, quando Melody (Evan Rachel Wood), uma jovem texana cuja inocência, falta de cultura geral e alegria de viver contagiante contrastam com o cinismo do cientista. Tudo perfeito... até ao dia em que os pais dela resolvem aparecer.

Woody Allen, um génio verborreico e hipocondríaco, sempre com o assunto “morte” na ponta da língua e no interior mais profundo das suas preocupações. Boris, a personagem principal deste regresso de Allen à cidade que o inspirou e que suportou a construção da sua lenda cinematográfica, tal e qual a descrição inicial do humorista judeu. A originalidade na personificação directorial numa figura reinventada, o hábito e a tradição dos seus melhores trabalhos na construção narrativa de "Tudo Pode Dar Certo". Assim, temos Larry David, o irascível autor de "Seinfeld" ou "Calma, Larry", como um Woody moderno, protagonista-narrador pessimista, egocêntrico e corrosivo de uma história tão simples quanto divertida, que encanta e deslumbra através da inteligência incomparável dos seus diálogos e situações imprevistas. Mas num filme onde são os “velhos” a dar nas vistas – a David e Allen juntam-se ainda os veteranos Patricia Clarkson e Ed Begley Jr. -, é justo destacar a fantástica interpretação de Evan Rachel Wood, uma actriz prodigiosa, multifacetada e versátil, que com apenas vinte e dois anos e já um assombroso desempenho em "The Wrestler" no currículo, promete ser uma das estrelas mais brilhantes do futuro de Hollywood.

6 comentários:

Zekka disse...

Sou fã de Woody Allen, e mais uma vez não me desapontou!!

aPAULOf disse...

Ainda não vi o filme com muita atenção porque não me cativou. Mas realmente a Evan Rachel Wood tem muita categoria. Ela já na série "True Blood" marcava com poucas cenas.
Aliás, ela na série é a Rainha... será profético?
Bem merece!

Eduardo Castro Fonseca disse...

Foi o primeiro filme do Woody que não gostei :(

João Lameira disse...

Melhor filme do Woody Allen dos últimos tempos. O que infelizmente já não quer dizer muito.

MAR disse...

Desta vez estamos de acordo. Não desapontou minimamente.

Miguel Reis (Knoxville) disse...

João, tem feito alguns filmes bons (longe de clássicos de outros tempos, é verdade) como o Scoop ou o Match Point. Mas eu também sou fanático pelo Woody Allen (actor, realizador, escritor, humorista etc etc), pelo que sou suspeito ;)

Eduardo, estou tramado contigo :P

Paulo, é o pacote completo a ERW ;)

Cumprimentos a todos, obrigado pela visita.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...