sábado, janeiro 29, 2011

Exam (2009)

Uma só pergunta para responder em oitenta minutos. É este o desafio que é colocado aos oito candidatos finais a um emprego secreto e confidencial, mas muito bem remunerado. Numa sala sem janelas – apenas espelhos colocados entre paredes -, pouca luz e simplesmente acompanhados por um guarda armado junto à porta, terão que cumprir com três regras para não serem desqualificados: não falarem com o guarda, não estragarem os seus papéis e não abandonarem a sala. Impostas as regras, o relógio começa a contagem decrescente e os candidatos viram as folhas. Do outro lado, nada escrito. Mais do que saber qual a resposta certa, a partir desse momento interessa descobrir qual a pergunta que precisam de responder. Sem quebrar nenhuma das regras, frustração, confusão e o feitio de cada um dos candidatos irá aumentar a tensão na sala. Até onde estarão dispostos a ir por um emprego de sonho?

O jovem realizador estreante Stuart Hazeldine consegue orquestrar em “Exam” uma fita interessante e singular que, apesar do espaço de acção reduzido e do conceito algo vazio, consegue entreter durante toda a sua duração, graças a um elenco competente, uma realização criativa e um guião ritmado, que explora de forma hábil todos os pormenores físicos que tem ao seu dispor, sem nunca se tornar demasiado confuso. Filme de mistério rapidamente transformado em thriller dramático, “Exam” consegue através da complexidade das suas variadas personagens tornar-se minimamente credível, equilibrando muito bem o desenrolar da narrativa após cada descoberta com os diálogos pertinentes de cada um dos oito "jogadores" em causa. Certamente um nome a ter em conta nos próximos anos, Hazeldine mostra em “Exam” que não é preciso milhões nem efeitos especiais de vanguarda para fazer um filme tão criativo e inteligente quanto moderno.

6 comentários:

Helder MC disse...

Fiquei curioso. Tenho de ver.

Bruno Cunha disse...

Um filme sem grande orçamentos e sem grandes nomes mas mesmo é assim é brilhantemente concebido, inteligente e credível, como dizes.
Frank and Hall's Stuff

Daniel Martins disse...

Eu gostei do filme, e achei original. No entanto, houve uns pequenos exageros nalgumas partes :P
Com tu disseste, e bem: «não é preciso milhões nem efeitos especiais de vanguarda para fazer um filme tão criativo e inteligente quanto moderno.»

Abraço ;)

Sarah disse...

Concordo com tudo o que disseste! Achei este filme muito criativo e inteligente.


Sarah
http://depoisdocinema.blogspot.com

Miguel Reis (Knoxville) disse...

Cumprimentos a todos, obrigado pelo testemunho :)

Anónimo disse...

Eu gostaria de assistir online, alguém sabe algum site ... ?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...