quinta-feira, junho 07, 2012

Outsourced - Primeira Temporada

Todd Dempsy acabou de ser promovido a gestor de call center de uma empresa norte-americana de venda online e telefónica de... bugigangas. Por bugigangas entendam produtos diversos de utilização duvidosa, mas diversão assegurada, entre almofadas de ar para colocar em cadeiras e simular traques e t-shirts com frases de cariz altamente sexual. Ao chegar ao emprego no seu primeiro dia enquanto gestor, o presidente da empresa informa-lhe que, devido a questões económicas, o call center foi transferido para a Índia e que Todd terá que começar lá a sua carreira, caso não queira ser despedido como quase todos os restantes trabalhadores. Ao chegar a Bombaim, Todd vai encontrar uma equipa com costumes e tradições completamente diferentes dos seus e que, só por si, chocam completamente com o tipo de mercadoria que é vendida, o que vai colocar em causa a eficácia das vendas, bem como desencadear situações hilariantes entre Todd e trabalhadores como Manmeet, um garanhão por sair da casa, a bela mas conservadora Asha ou o rígido assistente Rajiv, sempre pronto a tratar a equipa abaixo de escravos.

Baseado no filme homónimo de 2006 e na sitcom britânica que lhe sucedeu "Mumbai Calling", "Outsourced" provou numa só temporada ser um produto televisivo sólido no seu género, apenas derrotado pelas avassaladoras críticas de racismo, abuso de estereótipos e de, numa altura de crise, incentivar ao despedimento de trabalhadores norte-americanos em troco de trabalho precário de outros, o que fez com que, ainda muito antes dos seus ratings de audiência serem preocupantes, a série fosse cancelada pela patriótica e arrependida NBC. Opiniões à parte, fica uma questão já partilhada noutro local: o que seria do clássico "Modern Times" de Charlie Chaplin se tivesse sido boicotado nos anos trinta por demonstrar, de forma divertida e hiperbolizada, uma realidade em que a mão-de-obra humana era substituída em massa pelo aparecimento das máquinas automatizadas?

Polémicas à parte, "Outsourced" deixa connosco algumas das mais hilariantes one-liners dos últimos anos, bem como um par de personagens inesquecíveis, com especial destaque para o absurdamente perfeito timing cómico de Rizwan Manji, que já teve oportunidade de o demonstrar posteriormente numa só cena de "The Dictator", de Sacha Baron Cohen (a do teste do HIV, para os mais curiosos) e para a inocência fingida de Parvesh Cheena, que com o seu Gupta proporcionou momentos inolvidáveis de televisão. Não tão feliz foi o desenvolvimento do triângulo amoroso entre Todd, Tonya e Asha, com desenlace e destino mais do que óbvio, por mais inesperados e complicados caminhos que os guionistas tentassem desenhar. Em suma, para a história fica um elenco tão diferente quanto talentoso, que tinha merecido mais duas ou três temporadas para dar o salto definitivo em Hollywood.
Cinema Notebook: TV.com: 8.0 (483 votos) Média dos Leitores CN:

2 comentários:

Tiago Ramos disse...

Começou fraquinha e depois tornou-se uma excelente série! Pena que não lhe tenham dado crédito porque sim, ela merecia ter sido renovada.

Miguel Reis (Knoxville) disse...

Nem mais Tiago. Um abraço!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...